O Vale do Paraíba cafeeiro e o regime visual da segunda escravidão: o caso da fazenda Resgate

Autores

  • Rafael de Bivar Marquese Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas; Departamento de História

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-47142010000100004

Palavras-chave:

Escravidão, Regime Visual, Produção de Café, Brasil, Século XIX, Bananal (Estado de São Paulo)

Resumo

Nos quadros da economia-mundo capitalista do século XIX, o ocidente de Cuba, o baixo vale do rio Mississippi e o vale do rio Paraíba do Sul destacaram-se pelo domínio respectivo que cada qual exerceu sobre a produção mundial do açúcar, do algodão e do café. Nessas regiões, surgiram novas unidades escravistas, cujas plantas produtivas romperam com os padrões anteriormente vigentes no mundo atlântico. O artigo discute como o conjunto de imagens coevas relativas a essas plantations escravistas configurou um regime visual específico. O artigo toma o Vale do Paraíba como unidade de observação, examinando cuidadosamente o caso da fazenda Resgate, localizada em Bananal, São Paulo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-06-01

Como Citar

Marquese, R. de B. (2010). O Vale do Paraíba cafeeiro e o regime visual da segunda escravidão: o caso da fazenda Resgate . Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 18(1), 83-128. https://doi.org/10.1590/S0101-47142010000100004

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material