Foco e Escopo

Em sua política editorial, a Ars prioriza a publicação de material original e inédito, de modo que 80% dos artigos e os ensaios visuais especialmente concebidos para a revista decorrem, necessariamente, de pesquisas acadêmicas e artísticas novas. Ao lado de textos inéditos, é parte de sua política editorial a republicação periódica de textos fundamentais de história, teoria e crítica de arte, lançados há muito, no intuito de recuperar fontes relevantes de pesquisa bibliográfica para o uso nos cursos de graduação e de pós-graduação.        

Como iniciativa acadêmica, nascida numa escola de artes, a revista abre-se à discussão do problema da formação, não apenas aquela dos estudantes que pretendem se tornar artistas, professores, educadores ou teóricos, mas também a formação de uma experiência de criação e reflexão, capaz de favorecer a constituição de pontos de vista emancipados no ambiente globalizado da cultura contemporânea. 

A missão editorial da Ars consiste em 1) incentivar a produção artística e cultural brasileira em geral; 2) oferecer a artistas, professores de arte e pesquisadores atuantes no Brasil e no Exterior, em início de carreira ou com trajetórias profissionais já consolidadas, o fórum privilegiado de debate e intercâmbio de conhecimentos que a vida acadêmica pode propiciar; 3) constituir-se em uma instância de crítica e revigoramento recíprocos para o meio acadêmico e artístico e cultural, favorecendo uma presença propositiva da Universidade na sociedade brasileira; 4) buscar o nível da excelência acadêmica na pesquisa artística, cultural e científica; 5) incentivar o diálogo das artes visuais com outras áreas da produção cultural e científica e 6) formar um público leitor na área especializada da arte e da cultura, público ainda incipiente no ambiente brasileiro.  

Processo de Avaliação pelos Pares

A Ars adota a avaliação cega por pares em sistema de pareceria ad hoc com colaboração de professores-pesquisadores conceituados de universidades brasileiras e estrangeiras, o que garante, ao um só tempo, rigor e transparência nos critérios de avaliação.

Após prévia avaliação dos Editores, os artigos são submetidos aos pareceristas ad hoc, que podem aceitar, recusar ou sugerir alterações ao autor. Havendo pareceres conflitantes, recorrer-se-á a um terceiro parecerista. Dessa apreciação, resultará a aprovação ou reprovação da proposta e, eventualmente, a solicitação ao autor de reformulações que atendam às críticas e sugestões dos pareceristas.

Periodicidade

Publicação quadrimestral (a partir de 2017).

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

Fontes de indexação

  • SciELO
  • LatinIndex
  • DOAJ
  • Portal de revistas da USP

Histórico do periódico

O lançamento de ARS foi precedido por um intenso processo de discussão e por atividades ligadas à organização de seu projeto, que se desenvolveram a partir de meados de 2002. A ideia foi motivada pela constatação, à época, da alarmante lacuna de revistas especializadas em artes e ciências humanas no país, capazes de estimular as discussões intelectuais em condições especialmente favoráveis porquanto isentas dos interesses de uma publicação comercial. A Ars surge da vontade de intervenção no debate acerca da arte contemporânea tendo em vista que as questões que envolvem uma escola de arte não devem permanecer restritas ao ambiente acadêmico, mas mobilizar o debate cultural para além dos muros da universidade e interrogar as próprias perspectivas da arte no contexto contemporâneo. Sendo assim, a revista pretende, desde suas primeiras edições, contribuir para formar uma cultura crítica no meio artístico do país, incentivando o trabalho de novas gerações de pesquisadores e preparando-as para a intervenção na vida pública.

O primeiro número da Ars foi trazido a público em março de 2003. Até 2015 foi editada semestralmente pelos professores Gilbertto Prado, Sônia Salzstein e Marco Giannotti, com projeto gráfico do professor Mario Ramiro.

A partir de 2017, a revista passou a ser uma publicação quadrimestral do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da ECA-USP.