Quando a vida sai para trabalhar: Andy Warhol

  • Isabelle Graw Staatlische Hochschule für bildende Kunst (Städelschule) de Frankfurt am Main
  • Sônia Salzstein Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Palavras-chave: Andy Warhol, cultura de celebridades, arte contemporânea

Resumo

O texto discute a fusão contínua entre as esferas pública e privada na obra de Warhol, divisando em tal fusão a matriz de uma “cultura de celebridades”, esse fenômeno da sociedade contemporânea auspiciado pelo regime biopolítico e pelo mundo pós-fordista que seriam mais tarde descritos por autores como Antonio Negri e Michael Hardt. Focalizando principalmente os experimentos de Warhol na Factory, estúdio que ele manteve entre 1963 e 1968, a autora mostra como a obra do artista se estende muito além das pinturas, filmes e outras peças que produziu, incluindo também, e de modo crucial, suas inúmeras aparições e declarações públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabelle Graw, Staatlische Hochschule für bildende Kunst (Städelschule) de Frankfurt am Main
Fundadora e editora da revista Texte zur Kunst e professora de história da arte e teoria da arte na Staatlische Hochschule für bildende Kunst (Städelschule) de Frankfurt am Main. É também autora de High Price: Art Between the Market and Celebrity Culture (Sternberg Press, 2010)
Sônia Salzstein, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Tradutora
Publicado
2017-04-30
Como Citar
Graw, I., & Salzstein, S. (2017). Quando a vida sai para trabalhar: Andy Warhol. ARS (São Paulo), 15(29), 244-261. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2017.131505
Seção
Traduções