Elefante branco

espaço urbano, ruínas e violência

Palavras-chave: Pablo Trapero, cinema argentino, espaço urbano, ruínas, violência

Resumo

Pensaremos o filme Elefante branco (Elefante blanco, 2012), de Pablo Trapero, a partir do espaço urbano que ele representa/cria. A ruína enquanto espectro, tanto do fracasso quanto da resistência, modulará a análise dessa produção, que aposta na mobilização de ideias que cercam um universo complexo como a favela – entre elas, além da imagem da ruína, a violência como elemento constitutivo da cotidianidade. Essa mobilização ocorre por meio da vivência de personagens alheios a tal mundo e que escolhem ser parte dele, mergulhando em uma trajetória de aprendizagem que, como tudo no filme, tem a dupla cara de destruição e de construção. Também faremos uma rápida exploração do espaço nos outros filmes de Trapero e das favelas no cinema argentino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natalia Christofoletti Barrenha, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Brasil

Natalia Christofoletti Barrenha é pesquisadora de cinema latino-americano e professora, doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Multimeios do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Autora do livro A experiência do cinema de Lucrecia Martel: resíduos do tempo e sons à beira da piscina (Alameda Editorial e Fapesp, 2014). Edição em espanhol no prelo pela Prometeo Editorial (Argentina). Realiza pesquisa de pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Teoria e História Literária do Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Atua também na programação e produção de mostras audiovisuais, como “Histórias extraordinárias: cinema argentino contemporâneo” (realizada desde 2016 em cidades como Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo) e “Um lugar ao sol. A cidade em disputa no cinema brasileiro contemporâneo” (2018, São Paulo).

Publicado
2019-08-31
Como Citar
Barrenha, N. (2019). Elefante branco. ARS (São Paulo), 17(36), 191 - 216. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/ars/article/view/145306
Seção
Artigos