Mário Pedrosa

as ideias

Palavras-chave: crítica de arte no Brasil, arte autônoma no Brasil, arte abstrata no Brasil, concretismo, neoconcretismo

Resumo

Este estudo traça o percurso de Mário Pedrosa com os conceitos, desde seu começo de autêntica perplexidade até a posição crítica que iria caracterizá-lo, pela teleologia imanente da arte moderna a confluir na arte abstrata construtiva. A esta atribuía, pela “forma primeira fisionômica”, a missão de dissolver o antagonismo das várias formas do saber humano, num retorno às formas originárias de sociabilidade. Este foi seu milenarismo que conheceu abalos já na década de 1950 com o surgimento do informalismo e do expressionismo abstrato. Pedrosa encontrou, então, produções a que deu apoio por julgar que operavam no espaço real da vida: a arquitetura brasileira e o neoconcretismo de Oiticica e Clark. Em seus últimos escritos, já nos anos de 1970, Pedrosa ainda sustentava aquele milenarismo apoiado nos seus primeiros autores prediletos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Faccioli Gabriel, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Faculdade de Ciência e Tecnologia

Graduado pela FAU USP, mestrado na EESC USP em 2003, Doutorado pela FAU USP em 2017, com tese “Mário Pedrosa e a arquitetura brasileira: autonomia e síntese das artes”. Leciona no curso de arquitetura e urbanismo da FCT UNESP. 

Publicado
2018-12-31
Como Citar
Gabriel, M. (2018). Mário Pedrosa. ARS (São Paulo), 16(34), 67 - 93. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2018.150520
Seção
Artigos