Formalismo de quem?

Palavras-chave: formalismo, Clement Greenberg, Yve-Alain Bois

Resumo

Lançando mão de uma refutação meticulosa dos que o “acusam” de um formalismo de tipo greenberguiano, o autor replica a seus “acusadores”, declarando suas conexões profundas a linhagens históricas do formalismo, cujas origens remontam a Alois Riegl, ao formalismo russo e ao estruturalismo – a milhas de distância, ele sublinha, da busca idealista de Greenberg por uma ideia sublimatória de forma. Ao longo do artigo, Yve-Alain Bois declara de modo enfático o mais vivo interesse na significação histórica do trabalho de arte e sua convicção no enraizamento da forma na matéria histórica, contrariamente à condenação greenberguiana de quaisquer injunções do significado nessa discussão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yve-Alain Bois, Institute for Advanced Study (Princeton, EUA)

Especialista em arte europeia e norte-americana no século XX, atuou como curador e co-curador de diversas exposições, como Piet Mondrian, A Retrospective (1994); L’informe, mode d’emploi (1996); Matisse and Picasso: A gentle rivalry (1999); e Picasso Harlequin 1917–1937 (2008). Alguns de seus livros publicados são Ellsworth Kelly: Catalogue Raisonné of Paintings, Reliefs, and Sculpture: Vol. 1, 1940–1953 (2015); Matisse in the Barnes Foundation (2015); Art Since 1900 (com Benjamin Buchloh, Hal Foster e Rosalind Krauss, 2004); Matisse and Picasso (1998); Formless: A User’s Guide (com Rosalind Krauss, 1997); e Painting as Model (1990). Atualmente, é professor de História da Arte no Institute for Advanced Study, em Princeton, EUA.

Célia Euvaldo

Célia Euvaldo é artista plástica e tradutora, entre outros, de Desobedecer, de Frédéric Gros (Ubu, 2018), A arte da rivalidade, de Sebastian Smee (Zahar, 2017), Velázquez, de Ortega y Gasset (WMF Martins Fontes, 2016), O retorno do real e O complexo arte-arquitetura, ambos de Hal Foster (Cosac Naify, 2013 e 2014, respectivamente).

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Bois, Y.-A., & Euvaldo, C. (2018). Formalismo de quem?. ARS (São Paulo), 16(34), 55 - 66. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2018.151836
Seção
Artigos