A dobra schumanniana: transitividade e intermeios

  • Amilcar Zani Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Música
  • Heloisa Zani Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Música
  • Branca de Oliveira Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Artes Plásticas
Palavras-chave: arte-pesquisa, interdisciplinaridade, multiplicidade, música/vídeo, interatividade.

Resumo

A dobra schumanniana é um concerto-instalação que consiste em performances videográfica e pianística desenvolvidas em ambiente especialmente produzido para tal finalidade. A composição videográfica é projetada simultaneamente tanto nas paredes do ambiente quanto em tela especial, envolvendo completamente um palco central, circular e elevado, onde está localizado um piano. Através de processamento digital em tempo real, as imagens da performance pianística são mescladas à projeção mapeada de um vídeo pré-editado. Este composto videográfico não só busca traduzir a consonância da multiplicidade que atravessa a obra schumanniana com o paradigma estético processual que caracteriza o mundo contemporâneo, como também alia a expressão artística da performance pianística e da videoinstalação à prática da pesquisa organizada e do estudo crítico continuamente renovado, ressaltando a atualidade das proposições arquitetadas pelos gênios da cultura, Robert e Clara Schumann, e Johannes Brahms. Desse modo, o foco de a dobra schumanniana corrobora a coetaneidade de obras poéticas distantes no tempo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amilcar Zani, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Música
Professor titular nos cursos de graduação e pós-graduação do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Pianista e pesquisador, é também arquiteto. Sua especialização inclui estudos de piano em Portugal, Alemanha e Estados Unidos. Os projetos de pesquisa que coordena enfatizam o Romantismo Germânico de Robert Schumann e a Segunda Escola de Viena na Coleção Clara e Edward Steuermann.
Heloisa Zani, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Música
Docente do Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) nos cursos de graduação e pós-graduação, tem a busca de novas propostas didáticas em relação ao ensino do piano uma constante em suas atividades. Em seus estudos abordou a produção musical de Hans Eisler e também a correspondência entre Clara e Edward Steuermann e René Leibowitz. O interesse pela música de câmara levou-a ao estudo minucioso da produção musical para piano a quatro mãos e dois pianos.
Branca de Oliveira, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes. Departamento de Artes Plásticas
Artista, pesquisadora e docente nos programas de graduação e pós-graduação do Departamento de Artes Plásticas da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Fundadora e coordenadora, desde 2003, do grupo de pesquisa “Poética da Multiplicidade: modos contemporâneos de produção de imagens poéticas”, consolidado e certificado pelas instituições USP e CNPq. Com procedimentos criativos derivados de potencialidades gráficas da infraestrutura operacional tecnológica, da combinatória do algoritmo e da lógica de processamento de dados, realiza experimentos estéticos em cujo horizonte está o problema da constituição de um “corpo intensivo”.
Publicado
2014-12-24
Como Citar
Zani, A., Zani, H., & Oliveira, B. (2014). A dobra schumanniana: transitividade e intermeios. ARS (São Paulo), 12(24), 71-80. https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2014.96739
Seção
Arte, tecnologia e novas mídias