Compondo o gênero

trajetórias de cantoras-compositoras no Rio de Janeiro

  • Luísa Damaceno de Lacerda Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

Resumo

Este artigo relata, a partir de entrevistas e de observação participante, trajetórias de cantoras-compositoras na cidade do Rio de Janeiro, com o objetivo de analisar como as relações de gênero interferem na vida dessas artistas. Discutiremos como a crescente criação de coletivos e eventos musicais protagonizados por mulheres podem transformar as desigualdades do atual cenário profissional da área. A valorização da história de vida e das narrativas individuais se torna uma importante fonte de conhecimento para a área da musicologia, ressaltando trajetórias pouco reconhecidas na história da música.

Palavras-chave: Canção, Memória individual, Pesquisa em musicologia, Relações de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luísa Damaceno de Lacerda, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio)

Mestre em música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), é formada no curso de bacharelado em violão clássico, da Escola de Música da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

ALVES-MAZZOTTI, A.J.; GEWANDSZNAJDER, F. O método nas Ciências Sociais Naturais e Sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira, 1998.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 2ª edição. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

FREIRE, V.L.B.; PORTELA, A.C.H. Mulheres compositoras: da invisibilidade à projeção internacional. In: NOGUEIRA, I.P.; FONSECA, S.C. (Org.). Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. ANPPON – Pesquisa e música no Brasil. v. 3, 2013. p. 279-302.

HINE, C. Por uma etnografia para a internet: transformações e novos desafios. Revista MATRIZes. Entrevista por Bruno Campanella. v. 9., n. 2, jul./dez. 2015. p. 167-173.

LACERDA, L.D. Memórias compostas: narrativas de cantoras-compositoras no Rio de Janeiro. 2017. 100f. Dissertação (Mestrado em Música) – Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017a.

LACERDA, L.D. Trajetórias silenciadas: a contribuição de Eunice Katunda para o repertório violonístico. In: 1º Simpósio Internacional de Violão. O Violão na América Latina: tendências, desafios, perspectivas, Belo Horizonte, 2017. 2017b.

MARQUES, J. Canção interrompida – as compositoras brasileiras dos anos 30/40. Revista Gênero. Niterói, v.3, n.1, p. 41-47, 2º semestre, 2002.

MOREIRA, N.R. A presença das compositoras no samba carioca: um estudo da trajetória de Teresa Cristina. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia) - Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília.

MUSSULINI, D. Publicação eletrônica [mensagem pessoal]. 2016. Mensagem recebida via Messenger. Em 25 fev. 2016.

POLLAK, M. A gestão do indizível. WebMosaica: Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall. v. 2, n. 1, p. 9-49. 2010.

SANTANA, C.P. Enlaçando falas de mulheres: entrevistas com mulheres compositoras. In: III Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Universidade do Estado da Bahia, Salvador, 2013.

TABORDA, M. Violão e identidade nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

ULHÔA, M. Nova história, velhos sons: notas para ouvir e pensar a música brasileira popular. Revista Debates. Cadernos do Programa de Pós-graduação em Música do Centro de Letras e Artes da UNIRIO, Rio de Janeiro, n. 1, ago. 1997, p. 80 - 101.

VELHO, G. Observando o familiar. In: NUNES, E. (Org.). A aventura sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. p. 123-132.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Lacerda, L. (2018). Compondo o gênero. Revista Aspas, 8(1), 176-188. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v8i1p176-188