Quando as anormais vão para a escola

identidades precárias, subjetivação e exclusão escolar

  • Robson Guedes da Silva Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

Pode um anormal ir à escola? O pátio acolhe todos os que querem lá brincar? Este ensaio busca apresentar algumas discussões em torno da escola em seus processos de subjetivação e exclusão para com os corpos queer: bichas, sapatões, travestis, transexuais, não-bináries. Busca igualmente evidenciar como no cotidiano escolar a violência, o currículo e o silenciamento colaboram para expulsar corpos, que não se enquadram em uma heterossexualidade compulsória, de seu espaço descrito como inclusivo.

Palavras-chave: Corpos queer, Educação, Normatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Guedes da Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), sob orientação da profa. dra. Karina Mirian da Cruz Valença Alves (DMTE-UFPE). Graduado em Pedagogia (CE-UFPE). Pesquisa na área de Gênero e Sexualidades, com ênfase nos estudos contrassexuais, dos corpos queer e nas práticas pedagógicas de gênero e sexualidades na educação. Bolsista CNPq.

Referências

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade ; Trad. Renato Aguiar. – 2º ed. – Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 2000.

DELEUZE, Gilles. Empirismo e subjetividade. Tradução Luiz Orlandi. Rio de Janeiro: Ed. 34, 2012.

DÍAZ, Elvira Burgos. Desconstrução e subversão: Judith Butler. Sapere Aude , Belo Horizonte, v.4 - n.7, p.441-464 – 1º sem. 2013. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/5543/5507>. Acesso em 16 jan. 2018.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970/ tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 23 ed.- São Paulo: Edições Loyola, 2013.

_________________. Ditos e escritos IV. Michel Foucault. Estratégia, poder-saber (Poder e saber; p.223-240). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

_________________. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

___________________. Vigiar e punir: nascimento da prisão; tradução de Lígia M. Pondé Vassalo. Petrópolis, Vozes, 1987.

LARROSA, Jorge. “Tecnologias do eu e educação”. In: Silva, Tomaz Tadeu. O sujeito da educação. Petrópolis: Vozes, 1994.

LOURO, Guacira. Lopes. (org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2 Ed. BeloHorizonte: Autêntica, 2000.

_____________________. Gênero, sexualidade e educação: Uma abordagem pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual; tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

_________________. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19 (1), n. 312, jan-abril. 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000100002/18390. Acesso em: 14 jun. 2017.

PRIOTTO, Elis Palma; BONETI, Lindomar Wessler. VIOLÊNCIA ESCOLAR: na escola, da escola e contra a escola. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 26, p.161-179, jan. 2009. Disponível em: http://www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=2589&dd99=view&dd98=pb Acesso em: 14 jun. 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

Publicado
2018-08-06
Como Citar
Silva, R. (2018). Quando as anormais vão para a escola. Revista Aspas, 8(1), 200-209. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v8i1p200-209