Aspectos da escrita cênica de "Roda Viva"

  • Nina Nussenzweig Hotimsky Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP)
Palavras-chave: Dramaturgia, Encenação, Teatro brasileiro, Teatro musical

Resumo

A peça Roda Viva, escrita por Chico Buarque de Hollanda e encenada por Zé Celso Martinez Corrêa, estreou no Rio de Janeiro em 1968. A tendência hegemônica da crítica especializada foi contrapor texto e cena, como se a dramaturgia e sua primeira montagem fossem em tudo contrastantes. Este artigo busca explorar uma hipótese diferente: a de que o espetáculo seria resultado de uma coautoria entre o dramaturgo e o encenador. A encenação teria intensificado traços presentes na dramaturgia. Para lidar com essa hipótese, serão analisados alguns aspectos do espetáculo: a hibridez de gênero; a ritualização; a coralização; a erotização; e a referência explícita à fama do próprio dramaturgo (que pode ser associada a tendências da Tropicália).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nina Nussenzweig Hotimsky, Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP)

Mestranda na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Linha de pesquisa: Texto e Cena. Bolsista de mestrado da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Processo nº 2017/19467-7. Atriz e acordeonista.

Publicado
2019-05-06
Como Citar
Hotimsky, N. (2019). Aspectos da escrita cênica de "Roda Viva". Revista Aspas, 8(2), 122-141. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/150266