1968 e o processo cultural brasileiro

anticapitalismo, relações de produção, pesquisa estético-política e revolução

  • Roberta Carbone Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes
Palavras-chave: 1968, Artes cênicas

Resumo

O período em torno de 1968, que costuma ser, principalmente no campo dos estudos culturais, associado à contracultura, quando não ao desbunde total e geral, foi também quando se viu abrir uma clareira deflagradora de importantes transformações anticapitalistas. Ou como diz Iná Camargo Costa em entrevista publicada nesta edição da revista Aspas: “Em 1968 houve a última grande tentativa mundial de acabar com o capitalismo e foi derrotada.” De acordo com essa perspectiva, procuramos pensar os acontecimentos que marcaram esse emblemático ano, tentando dissipar de nosso horizonte certa tendência à mistificação que paira sobre os fatos e esfumaça sua importância política. Afinal de contas, refletir sobre o impacto da experiência de 1968, que completou cinquenta anos em 2018, no Brasil, significa pensar o movimento da luta armada contra a ditadura, as memoráveis greves operárias de Osasco e Contagem, a passeata conhecida como a dos “Cem Mil” no Rio de Janeiro, a Batalha da Maria Antônia em São Paulo. Internacionalmente, estudantes e trabalhadores desafiavam o poder no Maio francês, a Tchecoslováquia lutava contra o domínio soviético na Primeira de Praga, estudantes protestavam contra a intervenção militar na Universidade Nacional Autônoma, na cidade de Tlatelolco, no México, pessoas de todas as partes do mundo se manifestavam contra a Guerra do Vietnã, os negros estadunidenses defendiam publicamente
os seus direitos e Martin Luther King era assassinado. Ideias e atos revolucionavam o mundo, engendrando os elementos de uma nova sociedade, ao que o sistema capitalista reagiu das formas mais violentas possíveis, como no Brasil, com a decretação do Ato Institucional nº 5, o golpe dentro do golpe, que invalidava todo e qualquer direito constitucional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roberta Carbone, Universidade de São Paulo. Escola de Comunicações e Artes

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da ECA-USP, na área de Teoria e Prática e com linha de pesquisa em História do Teatro. Tem como tema de pesquisa “O trabalho teatral de João das Neves no Grupo Opinião”, cujo projeto é orientado pela professora doutora Maria Silvia Betti e recebe auxílio da Capes.

Publicado
2019-05-06
Como Citar
Carbone, R. (2019). 1968 e o processo cultural brasileiro. Revista Aspas, 8(2), 1-8. https://doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v8i2p1-8