Teatro Popular Criado Pelas Mulheres da Fortaleza da Mulher Maya (FOMMA) nos Altos de Chiapas, México.

Autores

  • Doris Difarnecio Directora de Teatro Mestre pelo CESMECA - Centro de Estudios superiores de México y Centro America Instituto Hemisférico
  • Tradução: Camila Scudeler
  • Revisão: Stela Fischer

Palavras-chave:

Teatro popular, indígena, gênero, identidade, memória, corpo

Resumo

FOMMA (Fortaleza de la Mujer Maya) é um coletivo de mulheres formado em 1994 por Isabel Juarez Espinosa (Aguacatenango, Chiapas) e Petrona de la Cruz Cruz (Zinacantan, Chiapas), mulheres maias que utilizam o teatro como ferramenta para a educação e construção de comunidade. São atrizes, escritoras, dramaturgas e professoras que viajam com seus trabalhos para suas comunidades, nacional e internacionalmente, criando montagens que enfocam os direitos das mulheres e indígenas, alfabetização, sexualidade, saúde e educação em Tzeltal e tzotzil, suas línguas indígenas originárias. Seu teatro é um processo criativo, político e educativo criado por meio de testemunhos autobiográficos das atrizes que buscam representar realidades alternativas para o seu público e criar reflexão sobre os problemas sociais e emocionais que enfrentam a população indígena. Por meio da expressão corporal e da memória das atrizes documentam a maneira que vivem, pensam e lutam desde uma perspectiva de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2013-12-01

Como Citar

Difarnecio, D., Scudeler, T. C., & Fischer, R. S. (2013). Teatro Popular Criado Pelas Mulheres da Fortaleza da Mulher Maya (FOMMA) nos Altos de Chiapas, México. Revista Aspas, 3(1), 94-104. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/68389

Edição

Seção

Artigos