Portal da USP Portal da USP Portal da USP

TEATRO E INFÂNCIA, POSSÍVEIS MUNDOS DE VIDA (E MORTE)

Marina Marcondes Machado

Resumo


Este texto convida a ampliar os significados dados à categoria “teatro infanto-juvenil” por meio das lentes do “teatro para todas as idades”, bem como por meio do teatro feito com crianças. Aponta para a “arte relacional”: algo não fertilizado em curadorias, editais e concursos, talvez pela forte influência da lógica de mercado (a fatia infanto-juvenil) bem como forte enraizamento de uma noção de infância, por parte da comunidade adulta, filiada às teorias desenvolvimentistas e suas divisões da vida por fases, faixas etárias, adequações a procedimentos e comportamentos.


Palavras-chave


Arte Relacional, Fenomenologia Da Criança, Teatro Infanto-Juvenil, Teatro Feito Com Crianças, Teatro Para Todas As Idades

Texto completo:

PDF

Referências


BOURRIAUD, N. Estética Relacional. São Paulo: Martins, 2009.

CABALLERO, I. D. Cenários liminares: Teatralidades, performances e política. Uberlândia: EDUFU, 2011.

DUBATTI, J. Teatro, convívio e tecnovívio. In Da cena contemporânea. Orgs. BIÃO, A. J. De C., CARREIRA, A. L. A. N, TORRES NETO, W. L. Porto Alegre: ABRACE, 2012.

DUBATTI, J. Convivio y tecnovivio: el teatro entre infancia e babelismo. Conferência proferida na UFMG em agosto de 2014 e publicada na Revista Lamparina. V.1. n.5. P.102-114. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes/UFMG, 2014.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

GUINSBURG, J. & FERNANDES, S. O pós-dramático. São Paulo: Perspectiva, 2009.

KINCHELOE, J. Pesquisa em educação: Conceituando a bricolagem. Porto Alegre:

ARTMED, 2007.

____; STEINBERG, Shirley. Cultura infantil: A construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

KOHAN, W. O. Infância, estrangeiridade e ignorância. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

_____. Vida e Morte da Infância, entre o Humano e o Inumano. Revista Educação & Realidade. Porto Alegre, v.35, n.3, p.125-138, set/dez., 2010.

LEHMANN, H-T. Das crianças, do Teatro, do Não-Compreender. Revista Brasileira de Estudos da Presença. Porto Alegre, v. 1, n.2, p.268-285, jul/dez, 2011.

MACHADO, M. M. Cacos de infância: teatro da solidão compartilhada. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2004.

_____. Merleau-Ponty & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

_____. Fazer surgir antiestruturas: abordagem em espiral para pensar um currículo em arte. Revista E-curriculum. São Paulo: Programa de Pós Graduação Educação: Currículo. V.8, n.1, 2012.

MARTINS, J. Um enfoque fenomenológico do currículo: educação como poiesis. São Paulo: Editora Cortez, 1992.

MERLEAU-PONTY, M. Merleau-Ponty na Sorbonne – Resumo de cursos: filosofia e linguagem. Campinas: Papirus, 1990a.

______. Merleau-Ponty na Sorbonne – Resumo de cursos: psicossociologia e filosofia. Campinas: Papirus, 1990b.

RANCIÈRE, J. O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

RICOUER, P. Tempo e narrativa. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

ROCHA G. & TOSTA, S. P. Antropologia & Educação. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2009.

STEINBERG, S. & KINCHELOE, J. Cultura infantil / a construção corporativa da infância. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

TURNER, V. O Processo Ritual / Estrutura e Antiestrutura. Petrópolis: Editora Vozes, 1974.

______. Liminal ao Liminóide: em brincadeira, fluxo e ritual / Um ensaio de Simbologia Comparativa. Tradução de Herbert Rodrigues. Cópia xerox/s.d.

WINNICOTT, Donald Woods. Playing and Reality. London, New York: Tavistock / Routledge, 1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-3999.v4i2p3-14

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.