O ANIMADOR, AQUELE QUE NÃO ESQUECEU A INFÂNCIA: uma perspectiva sobre animismo e ludens no teatro de animação

Autores

  • Fábio Henrique Nunes Medeiros Universidade de São Paulo-USP/pós-doutoramento

Palavras-chave:

Animismo, Infância, Ludens, Teatro de Animação

Resumo

Esta abordagem é de caráter fenomenológico, fundamentada na perspectiva do pensamento de Merleau-Ponty (2011), no qual se observa as essências, buscando desvelá-las no fenômeno, procedimento que admite a subjetividade do observador, sujeito sensível, na produção do conhecimento. O texto tem como abordagem o cruzamento entre os conceitos de Animismo (HELD, 1980) e Ludens (HUIZINGA, 2007) com relação ao animador do teatro de animação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

AMARAL, A. Maria. Teatro de formas animadas. 3aed. São Paulo: EDUSP - Editora da Universidade de São Paulo, 1996.

_______. O Ator e Seus Duplos - Máscaras, Bonecos, Objetos. São Paulo: Editora Senac e EDUSP - Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

________. Teatro de animação. São Caetano do Sul: Ateliê Editorial.1997.

ARNHEIM, Rudolf. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. 4ª Ed. São Paulo: Pioneiro e Editora da Universidade de São Paulo, 1986.

BACHELARD. Gaston. A Terra e os Devaneios da Vontade. Trad. Paulo Neves da Silva. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

COSTA, Felisberto Sabino, A poética do ser e não ser - Procedimentos Dramatúrgicos do Teatro de Animação. 2000. 264 p. Tese (Doutorado em Artes Cênicas) - Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, 2000.

CUNHA, Newton. Dicionário SESC: a linguagem da cultura. São Paulo: Perspectiva: SESC São Paulo, 2003.

Dicionário de símbolos. 21ªed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2007.

GENTY, Philippe. Uma viagem entre percepção, forte impressão e interpretação. In: Móin Móin - Revista de Estudos Sobre Teatro de Formas Animadas. Jaraguá do Sul/SC, n. 4, v. 5, 2008. p. 131-149.

HELD, Jacqueline. O imaginário no poder: as crianças e a literatura fantástica. São Paulo: Summus, 1980.

HUIZINGA. Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. 5ª ed. Trad. João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 2007.

JANSON, H W; JANSON, A. F. Iniciação à História de Arte. 2ª ed. Trad. Jefferson L. Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

________________. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 2009.

SARAIVA, F. R. S. (Org.) Novíssimo Dicionário latino-português - 10ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Garnier, 1993.

Downloads

Publicado

2014-12-08

Como Citar

Medeiros, F. H. N. (2014). O ANIMADOR, AQUELE QUE NÃO ESQUECEU A INFÂNCIA: uma perspectiva sobre animismo e ludens no teatro de animação. Revista Aspas, 4(2), 39-49. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/85760