Mascaramento espacial: a espacialidade como máscara

  • Ipojucan Pereira da Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: atuação, corporalidade, espaço, mascaragem

Resumo

De maneira breve, apresenta-se aqui uma das etapas do processo de criação denominado “mascaramento espacial”, desenvolvido na pesquisa de doutorado Mascaramento espacial: um processo criativo envolvendo a espacialidade corporal do ator. Os procedimentos foram desenvolvidos a partir de estruturas plástico-arquitetônicas empregadas como máscaras espaciais, capazes de estimular o corpo na criação de ações físicas. Essas investigações teórico-práticas, calcadas no trânsito entre espacialidade construída e performatividade, resultaram em qualidades psicofísicas baseadas no princípio do fluxo de trocas entre espaço e corpo, propiciando a experiência de mover e ser movido, espacializar e ser espacializado, atuar e ser atuado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ipojucan Pereira da Silva, Universidade de São Paulo
Ator, diretor e professor de Interpretação, Teoria Teatral, Teatro Físico e Teatro de Animação. Bacharel, Mestre e Doutor em Artes Cênicas pela ECA-USP.

Referências

ARNHEIM, R. Arte e percepção visual: uma psicologia da visão criadora. São Paulo: Pioneira, 1997.

CARERI, F. Walkscapes: el andar como práctica estética. Barcelona: Gustavo Gilli, 2002.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KRAUSS, R. A escultura no campo ampliado. Revista Gávea, Rio de Janeiro, v. 1, p. 87-93, 1984.

KRAUSS, R. Caminhos da escultura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

LECOQ, J. O corpo poético: uma pedagogia da criação teatral. São Paulo: Editora Senac São Paulo / Edições Sesc SP, 2010.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

MORRIS, R. O tempo presente do espaço. In: FERREIRA, G.; COTRIN, C. (Orgs.). Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009. p. 401-420.

PICON-VALLIN, B. A arte do teatro – entre a tradição e a vanguarda: Meyerhold e a cena contemporânea. Rio de Janeiro: Teatro do Pequeno Gesto/Letra e Imagem, 2006.

SHEFFLER, I. O Laboratório de Estudo do Movimento e o percurso de formação de Jacques Lecoq. 2013. Tese (Doutorado) – Centro de Artes, Universidade Estadual de Santa Catarina, Florianópolis.

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Silva, I. (2015). Mascaramento espacial: a espacialidade como máscara. Revista Aspas, 5(1), 106-118. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/90175