Prática artística como espaço político

  • Raquel Purper Universidade do Estado de Santa Catarina
Palavras-chave: afeto, dissenso, espaço político, subjetividade

Resumo

O processo contemporâneo de prática artística suscita questões que dizem respeito ao artista, ao seu contexto político-social e a todos os outros fatores que, combinados, compõem sua maneira de posicionar-se no mundo. O político norteia as escolhas estéticas e, consequentemente, as posturas éticas, e por isso é necessário que se reflita sobre como a relação entre artistas envolvidos no desenvolvimento de uma prática artística pode transformar esse espaço de trabalho em um espaço político. Para isso, apresenta-se o conceito de política, as conexões entre subjetividade, singularidade, intersubjetividade e afeto e as discussões entre consenso e dissenso, as quais atravessam essas relações, no intuito de compreender o que potencializa esse espaço como político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Purper, Universidade do Estado de Santa Catarina

Graduada em jornalismo pela PUC-RS e Bacharela em Direção Teatral pela UFRGS-RS. Mestra em Artes Cênicas também pela UFRGS com pesquisa sobre a Escola Livre de Dança de Porto Alegre. Atuou como docente no curso de Licenciatura em Dança da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul-UERGS de 2011 a 2013. Atualmente, é doutoranda em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina-UDESC.

 

Referências

ARENDT, H. O que é política?. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2004.

BADIOU, A. Qué es la política? Conferência de Alain Badiou, 24 e 25 abr. 2000. Disponível em: <http://pt.scribd.com/doc/54532605/Badiou-Alain-Que-es-la-politica>. Acesso em: 25 jun. 2014.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico na ciência da linguagem. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 1995.

BUELA, A. Teoria do dissenso. 2011. Disponível em: <http://legio-victrix.blogspot.com.br/2011/10/teoria-do-dissenso.html>. Acesso em: 5 jul. 2014.

DELEUZE, G. Conversações: 1972-1990. Trad. Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 4. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

ESPINOSA, B. Ética: demonstrada à maneira dos geômetras. Trad. Joaquim Ferreira Gomes e Antônio Simões. São Paulo: Nova Cultural, 1997. (Coleção Os Pensadores)

FOUCAULT, M. Verdade e subjetividade. Lisboa: Cosmos, 1993.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Micropolítica: cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1996.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa: complementos y estúdios prévios. Traduzido por Manuel Jiménez Redondo. Madri: Cátedra, 2001.

PELBART, P. P. Indivíduo e potência. In: NEUPARTH, S.; GREINER, C. (Org.). Arte agora: pensamentos enraizados na experiência. São Paulo: Annablume, 2011.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. Trad. Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO experimental org/Editora 34, 2009.

RANCIÈRE, J. Política da arte. Urdimento – Revista de Estudos em Artes Cênicas, n. 15, out. 2010, p. 45-59. Disponível em: <http://www.ceart.udesc.br/ppgt/urdimento/2010/Urdimento_15.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2014.

ROLNIK, S. Subjetividade antropofágica. In: LINS, D. (Org.). Razão nômade. Rio de Janeiro: Forense, 2005. p. 11-28.

Publicado
2015-06-30
Como Citar
Purper, R. (2015). Prática artística como espaço político. Revista Aspas, 5(1), 96-105. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/90176