Cartógrafos e inventariantes: listas como pesquisa em artes cênicas

  • Vinícius Demarchi Silva Terra Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista.
  • Marina Souza Lobo Guzzo Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista.
Palavras-chave: arte contemporânea, cartografia, método, pesquisa em arte

Resumo

Chama atenção o número de trabalhos recentes na cena contemporânea que apresentam em seu processo de criação o uso de listas, inventários e mapeamentos limitados por números, aqui compreendidos como listas cartográficas. Provocados pela radicalidade e qualidade dessas obras, partimos deles para ensaiar sobre a necessidade dessas cartografias listadas na cultura contemporânea. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinícius Demarchi Silva Terra, Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista.
Graduado em Educação Física, com mestrado e doutorado em Educação pela Unicamp. Atualmente é professor adjunto da Unifesp, campus Baixada Santista, no curso de Educação Física. Atuou como assistente técnico da Gerência de Estudos e Desenvolvimento do Sesc SP e membro pesquisador do CORPO – Grupo de Pesquisas Corpo e Educação (FEF/Unicamp).
Marina Souza Lobo Guzzo, Universidade Federal de São Paulo - Campus Baixada Santista.
Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e em Educação Física pela Unicamp, com mestrado e doutorado em Psicologia Social pela PUC-SP. Atualmente é professora da Unifesp, Campus Baixada Santista. É coordenadora do N(i)D – Núcleo Indisciplinar de Dança e pesquisadora do Laboratório Corpo e Arte.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Campinas: Papirus, 1994.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas III: Charles Baudelaire um lírico no auge do capitalismo. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

COSTA, L. C. A arte da cartografia na obra de Anna Bella Geiger. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPAP, 20., 2011, Rio de Janeiro. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pesquisadores em Artes Plásticas. Rio de Janeiro: ANAP, 2011. CD-ROM.

DEBORD, G.-E. Introdução a uma crítica da geografia urbana. In: JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 39-42.

DEBORD, G.-E. Teoria da deriva. In: JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 87-91.

DEBORD, G.-E. De l’Architecture selvage. In: JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p. 18.

DELEUZE, G. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs. São Paulo: Editora 34, 1997.

ECO, U. A vertigem das listas. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GOMES, M. C. A. Velhos mapas, novas leituras: revisitando a história da cartografia. GEOUSP – Espaço e Tempo, São Paulo, n. 16, p. 67-79, 2004.

JACQUES, P. B. (Org.). Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003.

LÉVY, P. O que é o virtual?. São Paulo: Editora 34, 1996.

MARTÍN-BARBERO, J. Ofício de cartógrafo: travessias latino-americanas da comunicação na cultura. São Paulo: Loyola, 2004.

TIBERGHIEN, G. Finis terrae: imaginaires et imaginations cartographiques. Paris: Bayard, 2007.

Publicado
2015-06-29
Como Citar
Terra, V., & Guzzo, M. (2015). Cartógrafos e inventariantes: listas como pesquisa em artes cênicas. Revista Aspas, 5(1), 60-70. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/aspas/article/view/90179