Paleobiology de uma nova microflürula silicificada do Grupo Bambuí (Proterozoico Superior) da região de Unaí, MG

  • Cristina Simonetti USP; IG
  • Thomas R. Fairchild USP; IG

Resumo

É descrita, da parte inferior do Bambuí (Proterozóico Superior) a 12,5 km de Unaí, Minas Gerais, uma nova microflórula, relativamente bem preservada e abundante, encontrada em sílex negro do topo de uma sequência dolomítica caracterizada por laminação "criptalgálica" e estromatolítica. Predominam as colônias de células cocoidais, com diâmetros raramente maiores que 13 µm, aparentemente planctónicas, atribuídas a 3 especies de Myxooocooides, Glenobotrydion aenigmatis Schopf e Forma A. Menos freqüentes e mal preservados são os filamentos que aqui constituem 3 morfotipos, dois deles com diâmetros inferiores a 10 µm {Eomycetopsis spp.) e outro com diâmetro entre 18 e 32 µm (Siphonophycus sp.). A presença de texturas filamentosas muito mal preservadas sugere que os filamentos desempenharam um papel significativo no bentos local. Raras na microflórula, são as formas cocoidais com diâmetros entre 20 e 40 µm (Forma B e Forma C) e um único conjunto de células baciliformes {Eosynechoooccus moorei Hofmann). Vários elementos desta microflórula são comparáveis a morfotipos já conhecidos das outras cinco microflórulas do Grupo Bambuí e parecem típicos do Proterozóico Superior.
Publicado
1989-04-01