Detecção de Perkinsus marinus na ostra Crassostrea rhizophorae do sul da Bahia por análise proteômica

  • Thiago Ramos Pinto Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
  • Guisla Boehs Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
  • Wallace Felipe Blohem Pessoa Universidade Estadual de Santa Cruz, Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética
  • Mariane dos Santos Aguiar Luz Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
  • Helena Costa Universidade Estadual de Santa Cruz, Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética
Palavras-chave: “Dermo”, Doenças, Ostras, Perkinsiose

Resumo

Este estudo relata a presença do patógeno Perkinsus marinus, de notificação obrigatória à Organização Internacional de Epizootias (OIE) na ostra Crassostrea rhizophorae no sul da Bahia, via análise proteômica. Foram analisadas as ostras Crassostrea brasiliana de um cultivo em espinhel e C. rhizophorae de um manguezal adjacente, na localidade de Porto do Campo, Baía de Camamu, Bahia. As coletas (n = 100) foram efetuadas em outubro de 2012. Em laboratório, as ostras foram medidas e abertas para a retirada da carne, que foi macerada em gelo seco. Para a extração das proteínas, foi adotada a adaptação de um protocolo utilizado para mexilhões, após o que foi realizada a separação na primeira dimensão, por focalização isoelétrica (IEF). Os peptídeos foram transferidos para um Espectrômetro de Massas. Os espectros obtidos foram analisados no software ProteinLynx Global Server 4.2 e também pela ferramenta MASCOT (Matrix Science) e comparados com os bancos de dados do SWISSPROT e do NCBI, respectivamente. A identificação foi evidenciada por meio da beta-tubulina, homologia Perkinsus marinus ATCC 50983 e código da proteína no banco de dados NCBI = gi|294889481. Este é o primeiro registro de P. marinus na Bahia e o quarto no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Ramos Pinto, Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
PPG-Ciência Animal
Guisla Boehs, Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
Professor Adjunto do Departamento de Ciências Biológicas da UESC; Professor Orientador do Quadro Permanente do Programa de Pós-Gradução (M/D) em Ciência Animal do DCAA, Área Medicina Veterinária
Wallace Felipe Blohem Pessoa, Universidade Estadual de Santa Cruz, Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética
Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética (CBG)
Mariane dos Santos Aguiar Luz, Universidade Estadual de Santa Cruz, Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Laboratório de Moluscos Marinhos
PPG-Ciência Animal
Helena Costa, Universidade Estadual de Santa Cruz, Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética
Laboratório de Proteômica do Centro de Biotecnologia e Genética (CBG)
Publicado
2017-01-31
Como Citar
Pinto, T., Boehs, G., Pessoa, W. F., Luz, M., & Costa, H. (2017). Detecção de Perkinsus marinus na ostra Crassostrea rhizophorae do sul da Bahia por análise proteômica. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 53(4), 1-4. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2016.104524
Seção
NOTA PRÉVIA