Revisão sobre Sarcocystis spp. excretados por gambás (Didelphis spp.) no Brasil

  • Samantha Yuri Oshiro Branco Valadas Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Animal
  • Rodrigo Martins Soares Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Medicina Preventiva e Saúde Animal
  • David Scott Lindsay Virginia Polytechnic Institute and State University, Virginia-Maryland Regional College of Veterinary Medicine, Department of Biomedical Sciences and Pathobiology, Center for Molecular Medicine and Infectious Disease
Palavras-chave: Sarcocystis spp., Brasil, Didelphis spp., Sarcocystis neurona, Sarcocystis falcatula

Resumo

Os gambás Sul-americanos são os hospedeiros definitivos de Sarcocystis falcatula, Sarcocystis neurona, Sarcocystis speeri e Sarcocystis lindsayi. Estas espécies de Sarcocystis são morfologicamente similares, mas podem ser distinguidas por sua patogenicidade e infectividade em hospedeiros intermediários (aves e camundongos imunodeficientes) e técnicas moleculares. Os gambás são animais silvestres e sinantrópicos e amplamente distribuídos no território nacional. Estudos anteriores demonstraram uma alta contaminação ambiental com esporocistos de S. neurona em diversas regiões brasileiras. Este artigo revisa informações sobre Sarcocystis spp. excretados por gambás e sua ocorrência no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-08-31
Como Citar
Valadas, S., Soares, R., & Lindsay, D. (2016). Revisão sobre Sarcocystis spp. excretados por gambás (Didelphis spp.) no Brasil. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 53(3), 214-226. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.v53i3p214-226