Análise histométrica do desenvolvimento testicular de cutias (Dasyprocta aguti) criadas em cativeiros

  • Antônio Chaves de Assis-Neto Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia, São Paulo, SP
  • Maria Isabel Vaz de Melo Pontifícia Universidade Católica, Betim, MG
  • Maria Acelina Martins de Carvalho Universidade Federal do Piauí, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Morfofisiologia Veterinária, Teresina, PI
  • Maria Angélica Miglino Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia, São Paulo, SP
  • Moacir Franco de Oliveira Escola Superior de Agricultura de Mossoró, Mossoró, RN
Palavras-chave: Cutia, Desenvolvimento pós-natal, Histometria, Testículo, Túbulo seminífero

Resumo

Foi estudado, por meio da histometria, o desenvolvimento testicular em 31 cutias da espécie Dasyprocta aguti desde o nascimento até 14 meses de idade. O diâmetro e a área, médios, foram obtidos a partir de 30 secções transversais de cordões e/ou túbulos seminíferos, em cada testículo, utilizando-se sistema de computadorizado de analises de imagem e uma ocular micrométrica Zeiss CPL 10X, acoplada a uma objetiva de 40X. As proporções volumétricas do testículo foram obtidas com o método estereométrico, segundo Elias, Henning e Schwartz¹. O diâmetro tubular médio apresentou crescimento lento desde o nascimento até os oito meses de idade, nas duas metodologias empregadas. Quando foi usada a ocular micrométrica observou-se que, a partir de nove meses, o diâmetro tubular teve um crescimento acelerado, chegando a duplicar o seu valor, se comparado com grupo etário que o antecedia. A proporção volumétrica dos cordões testiculares e túbulos seminíferos cresceu gradualmente, atingindo, aos nove meses, seu valor máximo (86,50%). As células de Leydig apresentaram proporção volumétrica decrescente, e seus maiores valores foram expressivos do nascimento até quatro meses de idade (7,00 ± 1,77% a 9,55 ± 0,64%) e mínimos a partir de nove meses, tendendo ainda a uma estabilização. O estroma diminuiu com a evolução da idade caindo bruscamente a partir da puberdade. Conclui-se que o diâmetro dos cordões testiculares e túbulos seminíferos apresentou maior crescimento, coincidindo com o início da puberdade e a proporção volumétrica das células de Leydig encontrou-se, respectivamente, mais alta e mais baixa no mesmo período.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2003-01-01
Como Citar
Assis-Neto, A., Melo, M., Carvalho, M., Miglino, M., & Oliveira, M. (2003). Análise histométrica do desenvolvimento testicular de cutias (Dasyprocta aguti) criadas em cativeiros. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 40(3), 202-208. https://doi.org/10.1590/S1413-95962003000300007
Seção
NÃO DEFINIDA