Aspectos morfológicos da placenta da preguiça, Bradypus variegatus Shinz, 1825

  • Marleyne José Afonso Accyoli Lins Amorin Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE
  • Maria Angélica Miglino Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia, São Paulo, SP
  • Adelmar Afonso Amorin Júnior Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, PE
  • Tatiana Carlesso dos Santos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia, São Paulo, SP
Palavras-chave: Endoteliocorial, Placenta, Preguiça, Bradypus variegatus, Corioamniótica

Resumo

Estudaram-se os aspectos morfológicos da placenta e das membranas fetais de 03 placentas de bichos-preguiça (Bradypus variegatus), adultas e prenhes, originárias da Zona da Mata do Estado de Pernambuco. Essas estruturas foram obtidas de 03 fêmeas doadas pela Universidade Federal de Pernambuco, das quais duas encontravam-se congeladas e a terceira foi colhida mediante realização de cirurgia cesariana, onde mãe e feto foram preservados. Depois de descongeladas, as placentas foram fixadas em solução aquosa de formol 10,00%. Da placenta obtida da cesariana colheram-se pequenos fragmentos da região placentária e do funículo umbilical, os quais foram fixados em paraformoldeido 4,00%, tampão fosfato pH 7,4. Os fragmentos passaram pela rotina histológica, onde foram coradas em Hematoxilina e Eosina e Tricrômio de Masson. A placenta da preguiça é corioamniótica, com o cório viloso constituindo os lobos placentários, que se localizam na região fúndica do útero, e o cório liso relacionando-se com a face interna do útero. Nas placentas de final de prenhez os lobos aglomeram-se e fundem-se aumentando de tamanho, formando uma massa principal discóide, caracterizando uma placenta zonária discoidal, que se une ao feto pelo funículo umbilical, constituído por duas artérias e uma veia umbilical. Os resultados histológicos demonstraram que a placenta desses animais é labiríntica e endoteliocorial. Assim, a placenta da preguiça pode ser classificada como labiríntica, endoteliocorial, múltipla, discóide (a termo) e corioamniótica.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2003-01-01
Como Citar
Amorin, M., Miglino, M., Amorin Júnior, A., & Santos, T. (2003). Aspectos morfológicos da placenta da preguiça, Bradypus variegatus Shinz, 1825. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 40(3), 217-226. https://doi.org/10.1590/S1413-95962003000300009
Seção
NÃO DEFINIDA