Uma nova associação de alelos de BoLA DRB3 em bovinos infectados com BLV com diferentes cargas provirais

  • María Victoria Nieto Farias Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, Facultad de Ciencias Veterinarias, Centro de Investigación Veterinaria de Tandil, Laboratorio de Virología
  • María Eugenia Caffaro Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria, Centro de Investigación en Ciencias Veterinarias y Agronómicas, Instituto de Genética “Edwald A. Favret”
  • Pamela Anahí Lendez Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, Facultad de Ciencias Veterinarias, Centro de Investigación Veterinaria de Tandil, Laboratorio de Virología
  • Juan Passucci Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, Facultad de Ciencias Veterinarias, Área de Epidemiología
  • Mario Poli Instituto Nacional de Tecnología Agropecuaria, Centro de Investigación en Ciencias Veterinarias y Agronómicas, Instituto de Genética “Edwald A. Favret”
  • María Carolina Ceriani Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, Facultad de Ciencias Veterinarias, Centro de Investigación Veterinaria de Tandil, Laboratorio de Virología
  • Guillermina Laura Dolcini Universidad Nacional del Centro de la Provincia de Buenos Aires, Facultad de Ciencias Veterinarias, Centro de Investigación Veterinaria de Tandil, Laboratorio de Virología
Palavras-chave: BLV, Carga proviral, Polimorfismo do BoLA DRB3

Resumo

O vírus da leucemia bovina (BLV) está associado à doença neoplásica mais comum do gado bovino. O BLV tem uma disseminação silenciosa no rebanho devido à troca de células infectadas, assim, a concentração de células BLV infectadas no sangue deve desempenhar um papel importante no sucesso da transmissão viral. Os genes do antígeno leucocitário bovino (BoLA), sistema MHC do gado bovino, estão associados à resistência genética e à susceptibilidade a uma ampla gama de doenças, bem como às características da produção. Alguns polimorfismos de alelos de BoLA DRB3.2 em bovinos Holstein têm sido associados à resistência ou susceptibilidade ao desenvolvimento da doença BLV, ou com carga proviral (PVL). Esta investigação avaliou 107 vacas leiteiras da raça Holstein argentina infectadas com BLV e pertencentes a um único rebanho. A PVL foi analisada por qPCR, os animais foram classificados em alta carga proviral (HPVL, N = 88) e baixa carga proviral (LPVL, N = 19), e os alelos BoLA DRB3.2 foram genotipados. Os alelos BoLA DRB3.2*1501 e *1201 estavam significativamente relacionados à HPVL (p = 0,0230 e p = 0,0111, respectivamente), enquanto o alelo BoLA DRB3.2*0201, à LPVL (p = 0,0030). O objetivo deste estudo é contribuir para o conhecimento da associação entre o polimorfismo de BoLA e o desenvolvimento de infecção por BLV. Os genes que melhor explicam a PVL na população analisada resultaram em BoLA DRB3.2*0201 (como fator de proteção) e *1501 (como fator de risco). As diferenças alélicas podem desempenhar um papel importante no desenvolvimento de respostas imunitárias eficazes. Uma melhor compreensão de como o polimorfismo BoLA contribui para estas respostas e o estabelecimento de um estado BLV é desejável para agendar e avaliar as medidas de controle.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-11-24
Como Citar
Farias, M. V., Caffaro, M. E., Lendez, P. A., Passucci, J., Poli, M., Ceriani, M. C., & Dolcini, G. L. (2017). Uma nova associação de alelos de BoLA DRB3 em bovinos infectados com BLV com diferentes cargas provirais. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 54(3), 215-224. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.123769
Seção
ARTIGO COMPLETO