Efeito da adição da enzima papaína em rações extrusadas para cães sobre parâmetros digestivos e palatabilidade

  • Karine de Melo Santos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Nutrição e Produção Animal
  • Fabiano César Sá Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária
  • Danilo Ferreira de Souza Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária
  • Flavio Lopes da Silva Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária
  • Maria Isabel Gonzalez Urrego Universidade de São Paulo, Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, Departamento de Zootecnia
  • Thiago Henrique Vendramini Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Nutrição e Produção Animal
  • Marcio Antonio Brunetto Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Nutrição e Produção Animal
  • Aulus Cavalieri Carciofi Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária
Palavras-chave: Aditivo, Canino, Digestibilidade, Proteína

Resumo

As fontes comuns de proteína utilizadas na fabricação de rações para cães são oriundas de coprodutos, os quais podem apresentar digestibilidade reduzida de acordo com a fonte. Este estudo avaliou os efeitos da adição da enzima papaína em dietas secas e extrusadas na palatabilidade, digestibilidade dos nutrientes, qualidade e produção fecal de cães adultos. Uma dieta foi formulada contendo farinha de vísceras de frango, farinha de carne e ossos e farinha de penas hidrolisadas como fontes proteicas. Esta foi posteriormente dividida em três dietas isonutrientes: controle negativo (CN) sem adição da enzima; adição de 855.000 UI de papaína por quilograma de ração (EZ1); e adição de 2.280.000 UI de papaína por quiilograma de ração (EZ2), ambas adições feitas antes da extrusão. O experimento seguiu delineamento em blocos casualizados, com dois blocos de nove animais (três animais por tratamento em cada bloco), totalizando 18 cães, e seis repetições por tratamento. Os dados obtidos foram submetidos a análise de variância, com as médias dos três tratamentos comparadas por contrastes polinomiais (P < 0,05). Não foram verificadas diferenças nos coeficientes de digestibilidade aparente dos nutrientes ou mesmo alterações na palatabilidade, pH e produção de fezes entre os tratamentos com diferentes inclusões de enzima (P > 0,05). Apenas o escore fecal reduziu com o aumento da adição da enzima (P < 0,05).

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-07
Como Citar
Santos, K., Sá, F., Souza, D., Silva, F., Urrego, M. I., Vendramini, T. H., Brunetto, M. A., & Carciofi, A. (2017). Efeito da adição da enzima papaína em rações extrusadas para cães sobre parâmetros digestivos e palatabilidade. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 54(4), 357-365. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.125674