Reconhecimento e avaliação comportamental da dor aguda em gatos: revisão de literatura

  • Marco Aurélio Amador Pereira Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Karina D'Angelo Campos Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Marina Caetano Evangelista Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Lucas Alaião Gonçalves Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Rosana Souza Thurler Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Júlio Ken Nagashima Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Sérgio Grandisoli Garcia Filho Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Clarissa Muniz Ribeiro Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
  • Denise Tabacchi Fantoni Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia
Palavras-chave: Analgesia, Escalas de Dor, Dor aguda, Gato

Resumo

Embora a dor seja considerada o quarto sinal vital e uma das manifestações mais comumente encontradas na prática médica veterinária dos animais domésticos, seu tratamento ainda é inadequado. A dor aguda pós-operatória tem suscitado grande interesse por seu potencial risco de cronificação caso não adequadamente tratada, podendo piorar a recuperação e a qualidade de vida do paciente. O gato é uma das espécies domésticas menos estudadas no que diz respeito ao reconhecimento e controle da dor, e algumas das dificuldades residem na avaliação e na percepção da dor. O consenso sobre os sinais comportamentais da dor nesta espécie publicado em fevereiro de 2016 considerou alguns sinais como confiáveis e sensíveis para a avaliação da dor em gatos, em toda uma gama de diferentes condições clínicas, porém afirma a necessidade da realização de estudos que analisem a sua validade e aplicabilidade clínica, especialmente em relação a diferentes intensidades de dor. Na tentativa de se quantificar a dor são utilizados vários tipos de escalas subjetivas tradicionais e outras que facilitam a avaliação da efetividade da analgesia, a partir da observação de sinais comportamentais espontâneos indicativos de dor, combinada a uma resposta qualitativa à palpação da ferida cirúrgica. Faz-se necessária a utilização de escalas específicas para o tipo de dor (aguda ou crônica) e para a espécie, de modo a minimizar a subjetividade e a parcialidade dos observadores e possibilitando uma melhor assistência ao paciente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-31
Como Citar
Pereira, M. A., Campos, K., Evangelista, M., Gonçalves, L., Thurler, R., Nagashima, J., Garcia Filho, S., Ribeiro, C., & Fantoni, D. (2017). Reconhecimento e avaliação comportamental da dor aguda em gatos: revisão de literatura. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 54(4), 298-305. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.128900
Seção
ARTIGO DE REVISÃO