Mosquitos <i>Aedes aegypti</i> são vetores potenciais de leishmaniose? – Relato de caso

  • Willian Marinho Dourado Coelho Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Engenharia, Departamento de Biologia e Zootecnia Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Ciências Agrárias, Departamento de Patologia Clínica e Patologia Animal
  • Katia Denise Saraiva Bresciani Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Medicina Veterinária
  • Juliana de Carvalho Apolinário Coêlho Faculdades Integradas de Três Lagoas
  • Luciano Alves dos Anjos Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Engenharia, Departamento de Biologia e Zootecnia
  • Wilma Aparecida Starke Buzetti Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Faculdade de Engenharia, Departamento de Biologia e Zootecnia
Palavras-chave: Amastigota, Canino, Parasita, Vetores, Zoonose

Resumo

No Brasil, os dípteros do gênero Lutzomyia são os principais vetores da leishmaniose para humanos e animais. No entanto, tem sido constatado que outras espécies de invertebrados hematófagos, como carrapatos, pulgas e mutucas, também podem ser vetores desse protozoário. Este trabalho, realizado em uma área endêmica de leishmaniose visceral, é a primeira descrição da presença de Leishmania spp. em mosquitos da espécie A. aegypti. Dois mosquitos A. aegypti foram capturados no local onde estava isolado um cão polissintomático acometido por leishmaniose visceral, confirmada pela demonstração do parasita em biópsias de órgãos e por resultado positivo na prova de PCR para Leishmania spp. Um dos mosquitos estava sugando o sangue do cão e o outro estava livre no ambiente. O mosquito ingurgitado com o sangue do animal foi esmagado entre duas lâminas de microscopia e o outro foi processado por meio da reação em cadeia pela polimerase (PCR) aplicada à pesquisa do ADN de Leishmania spp. Ao exame microscópico do esfregaço preparado com o mosquito que estava parasitando o cão foram observadas formas amastigotas de Leishmania spp., bem como formas flageladas de outra espécie de protozoário. No outro inseto foi detectada amplificação de ADN do gênero Leishmania. Esta constatação reforça o papel dos cães como fontes de infecção de Leishmania spp. até mesmo para outras espécies de vetores potenciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-31
Como Citar
Coelho, W., Bresciani, K. D., Coêlho, J., Anjos, L., & Buzetti, W. (2017). Mosquitos <i>Aedes aegypti</i&gt; são vetores potenciais de leishmaniose? – Relato de caso. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 54(4), 416-419. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.131768