Mensuração dos valores de lactato sérico em felinos domésticos (<i>Felis catus</i>) submetidos a contenção física e química

  • Rafael Henrique de Souza Siragusi Universidade de Marília, Hospital Veterinário, Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais
  • Valeska Tallia Mendes de Barros Universidade de Marília, Hospital Veterinário, Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais
  • Emiliana Andrade Fiorini Universidade de Marília, Hospital Veterinário, Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais
  • Tiago Montalvão Bergamo Universidade de Marília, Hospital Veterinário, Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais
  • Rafael Cerântola Siqueira Universidade de Marília, Faculdade de Ciências Agrárias, Curso de Medicina Veterinária
  • Fábio Fernando Ribeiro Manhoso Universidade de Marília, Faculdade de Ciências Agrárias, Curso de Medicina Veterinária
  • Rodrigo Prevedello Franco Universidade de Marília, Faculdade de Ciências Agrárias, Curso de Medicina Veterinária
Palavras-chave: Lactato, Felinos, Contenção física, Contenção química

Resumo

A utilização do lactato sérico é cada vez mais comum na Medicina Veterinária, por ser um excelente marcador de oxigenação tecidual, elevando-se em situações de hipóxia tecidual e realizando a glicólise anaeróbica como fonte de energia. Pesquisas científicas em cães o apontam como fator prognóstico em diversas afecções, sendo pouco utilizado em felinos domésticos devido ao elevado limiar de estresse da espécie, podendo interferir em seus valores. Assim, este trabalho avaliou os valores de lactato sérico em felinos domésticos durante contenção física e após contenção química, utilizando a associação de 8 mg/kg de cetamina-S, 0,4 mg/kg de midazolam e 2 mg/kg de cloridrato de tramadol. Foram estudados 20 felinos, fêmeas, sem raça definida,  de seis meses a cinco anos de idade, clinicamente saudáveis, divididos em dois grupos, com GPR (n = 10) representado por felinos que passaram apenas por contenção física e com GCR por felinos que passaram por contenção física (TPR) e após 30 horas por contenção química (TCR). Foi observado em ambos os grupos (GPR e GCR) e durante a contenção física a hiperlactatemia sérica (GPR = 6.23 ± 0.9 mmol / L – GCR – TPR = 6.66 ± 1.59 mmol / L) com valores médios de 4,42 ± 1,28 mmol/L durante a contenção química (GCR – TCR). Conclui-se que a contenção física interfere nos valores do lactato sérico, com redução dos valores na utilização da contenção química na espécie felina.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2017-12-31
Como Citar
Siragusi, R. H., Barros, V. T., Fiorini, E., Bergamo, T., Siqueira, R., Manhoso, F. F., & Franco, R. (2017). Mensuração dos valores de lactato sérico em felinos domésticos (<i>Felis catus</i&gt;) submetidos a contenção física e química. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 54(4), 383-387. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2017.132024