Portal da USP Portal da USP Portal da USP

Contaminação por parasitas de importância zoonótica em amostras fecais nas praias de Florianópolis, SC, Brasil

Patrizia Ana Bricarello, Ellen Antunes Magagnin, Thailini de Oliveira, Alice da Silva, Lenilza Mattos Lima

Resumo


Helmintos e protozoários são exemplos de endoparasitas que, durante seus ciclos biológicos, podem alternar fases de vida livre e de vida parasitária no ambiente. Animais de companhia, como cães e gatos, possuem convívio direto com o homem e desempenham importante papel na sociedade, porém estes animais podem possuir muitos parasitas próprios que, além da patogenicidade direta ao hospedeiro, representam riscos à saúde humana, no caso das zoonoses parasitárias. A utilização de áreas públicas como parques, jardins, praças e praias por estes animais, pode oferecer riscos aos seus frequentadores humanos, uma vez que pode ocorrer a deposição de fezes nesses ambientes por cães parasitados. O presente estudo investigou  a ocorrência de ovos de helmintos e/ou cistos ou oocistos de protozoários em amostras de fezes coletadas nas faixas de areia das praias da Armação do Pântano do Sul, Campeche e Morro das Pedras, no sul da ilha de Florianópolis, Estado de Santa Cararina-SC, Brasil, durante o período de verão. As coletas de amostras de fezes de animais domésticos foram realizadas na temporada de verão 2016/2017, a partir de dezembro de 2016 até fevereiro de 2017. No Laboratório de Parasitologia Animal (CCA-UFSC), as amostras de fezes foram processadas pela técnica de flutuação de Willis-Mollay e pela técnica de sedimentação de Hoffman. Amostras colhidas nas três praias analisadas mostraram-se positivas para a presença de parasitos. Material fecal foi observado ao longo de toda orla, locais em que as pessoas caminham livremente e sem calçados. De um total de 104 amostras de fezes coletadas nas praias, 45 (43,27%) estavam positivas a um ou mais parasitas. A praia do Campeche foi a que apresentou maior prevalência, com 72,22% de amostras positivas. Os ancilostomídeos, responsáveis pela larva migrans cutânea em humanos, foram os mais prevalentes. Outros parasitas como Trichuris vulpis, Toxocara spp. e Giardia spp. também foram detectados nas análises coproparasitológicas. Com base nos resultados obtidos, concluímos que a contaminação das praias na Ilha de Florianópolis, SC, constitui um problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de zoonoses. Estes resultados reforçam a importância da implantação de programas sanitários de controle de parasitas e programas de educação, esclarecendo os riscos de transmissão destas zoonoses à população, a fim de reduzir os riscos de contaminação ambiental nas praias de balneários.


Palavras-chave


Zoonoses; Helmintos; Animais Domésticos; Praias; Saúde Pública

Texto completo:

PDF (English)


DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2018.133259

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.