Contaminação por parasitas de importância zoonótica em amostras fecais nas praias de Florianópolis, SC, Brasil

  • Patrizia Ana Bricarello Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Departamento de Zootecnia e Desenvolvimento Rural
  • Ellen Antunes Magagnin Universidade Federal de Santa Catarina, Curso de Graduação em Medicina Veterinária
  • Thailini de Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Curso de Graduação em Zootecnia
  • Alice da Silva Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias, Curso de Graduação em Zootecnia
  • Lenilza Mattos Lima Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, Departamento de Análises Clínicas
Palavras-chave: Zoonoses, Helmintos, Animais Domésticos, Praias, Saúde Pública

Resumo

Helmintos e protozoários são exemplos de endoparasitas que, durante seus ciclos biológicos, podem alternar fases de vida livre e de vida parasitária no ambiente. Animais de companhia, como cães e gatos, possuem convívio direto com o homem e desempenham importante papel na sociedade, porém estes animais podem possuir muitos parasitas próprios que, além da patogenicidade direta ao hospedeiro, representam riscos à saúde humana, no caso das zoonoses parasitárias. A utilização de áreas públicas como parques, jardins, praças e praias por estes animais, pode oferecer riscos aos seus frequentadores humanos, uma vez que pode ocorrer a deposição de fezes nesses ambientes por cães parasitados. O presente estudo investigou  a ocorrência de ovos de helmintos e/ou cistos ou oocistos de protozoários em amostras de fezes coletadas nas faixas de areia das praias da Armação do Pântano do Sul, Campeche e Morro das Pedras, no sul da ilha de Florianópolis, Estado de Santa Cararina-SC, Brasil, durante o período de verão. As coletas de amostras de fezes de animais domésticos foram realizadas na temporada de verão 2016/2017, a partir de dezembro de 2016 até fevereiro de 2017. No Laboratório de Parasitologia Animal (CCA-UFSC), as amostras de fezes foram processadas pela técnica de flutuação de Willis-Mollay e pela técnica de sedimentação de Hoffman. Amostras colhidas nas três praias analisadas mostraram-se positivas para a presença de parasitos. Material fecal foi observado ao longo de toda orla, locais em que as pessoas caminham livremente e sem calçados. De um total de 104 amostras de fezes coletadas nas praias, 45 (43,27%) estavam positivas a um ou mais parasitas. A praia do Campeche foi a que apresentou maior prevalência, com 72,22% de amostras positivas. Os ancilostomídeos, responsáveis pela larva migrans cutânea em humanos, foram os mais prevalentes. Outros parasitas como Trichuris vulpis, Toxocara spp. e Giardia spp. também foram detectados nas análises coproparasitológicas. Com base nos resultados obtidos, concluímos que a contaminação das praias na Ilha de Florianópolis, SC, constitui um problema de saúde pública, devido à possibilidade de transmissão de zoonoses. Estes resultados reforçam a importância da implantação de programas sanitários de controle de parasitas e programas de educação, esclarecendo os riscos de transmissão destas zoonoses à população, a fim de reduzir os riscos de contaminação ambiental nas praias de balneários.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2018-04-19
Como Citar
Bricarello, P. A., Magagnin, E., Oliveira, T., Silva, A., & Lima, L. (2018). Contaminação por parasitas de importância zoonótica em amostras fecais nas praias de Florianópolis, SC, Brasil. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 55(1), 1-10. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2018.133259
Seção
ARTIGO COMPLETO