Assimetrias do crânio de javalis (Sus scrofa LINNAEUS, 1758)

Palavras-chave: Stress ambiental, Técnicas geométricas e morfométricas, Mastigação, Lateralização, Ontogenia, Simetrial

Resumo

Os organismos podem desenvolver diferentes tipos de assimetria quando ocorrem desvios da pefeita simetria esperada. Entre os diversos tipos de assimetria existentes duas merecem especial destaque: a flutuante (AF) e a directional (AD). A AF é representada por pequenas diferenças casuais entre as partes correspondents das laterais direita e esquerda de um indivíduo em estruturas pareadas bilateralmente; acredita-se que elas reflitam a habilidade de um organismo adaptar-se a fatores estressantes genéticos e ambientais observados durante o seu crescimentos. A AD ocorre quando um lado da assimetria plana desenvolve-se mais do que o outro e há um componente genético. No presente trabalho foi analisada a expresssão da simetria morfológica de 38 crânios de diferentes grupos etários de javalis (Sus scrofa), nos seus aspectos ventrais, com o emprego de duas coordenadas dimensionais de 27 pontos anatômicos homólogos. As análises efetuadas revelaram a existência de valores significantes de AF e AD em toda a amostra trabalhada, detectando inclusive diferenças entre os grupos etários. Os resultados obtidos demonstraram que as diferentes formas observadas nos diferentes grupos etários podem ser consequência de uma resposta a fatores ambientais para a AF e a lateralização da mastigação para a AD.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2019-07-03
Como Citar
Parés-Casanova, P. M. (2019). <i>Assimetrias do crânio de javalis (</i>Sus scrofa<i> LINNAEUS, 1758)</i&gt;. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 56(1), e150704. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2019.150704
Seção
ARTIGO COMPLETO