Digestibilidade in situ de cana de açúcar (Saccharum officinarum) nas formas natural ou ensilada, adicionadas ou não de uréia

  • Carlos de Sousa Lucci Universidade de Santo Amaro, Faculdade de Medicina Veterinária, São Paulo, SP
  • Edison Valvasori Secretaria da Agricultura de São Paulo, Instituto de Zootecnia, São Paulo, SP
  • Adriana Capezzuto Universidade de Santo Amaro, Faculdade de Medicina Veterinária, São Paulo, SP
  • Ricardo Lopes Universidade de Santo Amaro, Faculdade de Medicina Veterinária, São Paulo, SP
  • Valter Fontolan Universidade de Santo Amaro, Faculdade de Medicina Veterinária, São Paulo, SP
  • Gilberto Buffarah Secretaria da Agricultura de São Paulo, Instituto de Zootecnia, São Paulo, SP
  • Kleber da Cunha Peixoto-Junior Universidade de Santo Amaro, Faculdade de Medicina Veterinária, São Paulo, SP
Palavras-chave: Cana-de-açúcar, Silagem de cana de açúcar, Degradabilidade ruminal

Resumo

Doze ovinos com cânulas de rúmen foram empregados para comparar seis tratamentos, dispostos em um arranjo fatorial 2 x 3: cana de açúcar nas formas fresca (CAF) ou ensilada (CAS) x teores de uréia iguais a 0,0%, 0,5% e 1,0%. Foram estimadas: taxas de degradabilidade efetiva (DGE) dos alimentos volumosos, concentrações de ácidos graxos voláteis(AGV) e de nitrogênio amoniacal (N-NH3) e valores de pH do conteúdo do rúmen, além de concentrações de N-uréico no sangue. As taxas de DGE da matéria seca (MS) mostraram-se semelhantes para CAF e CAS. A adição de teores crescentes de uréia às forragens resultou em diminuição linear da DGE da MS tanto da CAF como da CAS. No caso da CAS, a DGE da fibra em detergente neutro diminuiu linearmente com concentrações crescentes de uréia. Os valores de pH do conteúdo ruminal foram maiores para CAS em relação a CAF, mas não ocorreram diferenças devidas à adição de uréia. Os teores do conteúdo ruminal em total de AGV e os de ácido propiônico foram maiores para a CAF em relação a CAS; os de ácido acético, ao contrário, foram maiores para a CAS. Os teores de N-NH3 do conteúdo ruminal foram maiores para a CAS que para a CAF. Nos tratamentos com CAF e nos com CAS, as concentrações de N-NH3 no conteúdo ruminal e de N-uréico no sangue aumentaram linearmente com maiores adições de uréia. Concluiu-se que a adição de 0,5% e 1,0% uréia às forragens frescas ou ensiladas de cana-de-açucar não mostrou resultados satisfatórios e que CAF apresentou indícios de melhor qualidade nutricional que CAS.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2006-08-01
Como Citar
Lucci, C., Valvasori, E., Capezzuto, A., Lopes, R., Fontolan, V., Buffarah, G., & Peixoto-Junior, K. (2006). Digestibilidade in situ de cana de açúcar (Saccharum officinarum) nas formas natural ou ensilada, adicionadas ou não de uréia. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 43(4), 502-509. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2006.26466
Seção
NÃO DEFINIDA