Uma maneira prática de distinguir abelhas africanizadas (Apis mellifera L.) de abelhas européias usando o estado excitatório central, a mobilidade dos membros e viabilidade do ferrão

  • Italo de Souza Aquino Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Agropecuária, Bananeiras, PB
  • Charles Ira Abramson Universidade de Oklahoma, Departamento de Psicologia e Zoologia, Oklahoma, EUA
  • Andrew William Morris Universidade de Oklahoma, Oklahoma, EUA
  • Andrea Cardoso Fernandes Universidade Federal da Paraíba, Bananeiras, PB
Palavras-chave: Condicionamento clássico, Comportamento, Abelha operária, Abelha africanizada, Abelha européia

Resumo

Uma chave para o entendimento da expansão da abelha africanizada (Apis mellifera) é distinguir esta abelha agressiva de sua equivalente européia. Técnicas de identificação atual têm um grau de sucesso, mas cada método tem seu próprio conjunto de problemas, tornando-se proibitivo sua adoção e uso em larga escala. Este estudo examinou aspectos do estado excitatório central, persistência de mobilidade de apêndices e viabilidade da ferroada após decapitação como ferramenta na distinção entre essas duas raças. O estado excitatório central não foi útil na distinção entre a abelha africanizada e a européia; todavia, a mobilidade de apêndices e a viabilidade do ferrão foram significativamente diferentes entre essas duas raças. A mobilidade de apêndices e a viabilidade do ferrão são técnicas úteis na distinção das duas raças e atenua os aspectos relacionados a gastos, aplicação e precisão.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2007-06-01
Como Citar
Aquino, I., Abramson, C., Morris, A., & Fernandes, A. (2007). Uma maneira prática de distinguir abelhas africanizadas (Apis mellifera L.) de abelhas européias usando o estado excitatório central, a mobilidade dos membros e viabilidade do ferrão. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 44(3), 212-221. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2007.26641
Seção
NÃO DEFINIDA