Análise citogenética de oócitos de jaguatirica (Leopardus pardalis) e gato-do-mato-pequeno (Leopardus tigrinus) coletados após estimulação ovariana

  • Regina Célia Rodrigues da Paz Universidade Federal do Mato Grosso, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Departamento de Ciências Básicas e Produção Animal, Cuiabá, MT
  • Cristina Harumi Adania Associação Mata Ciliar, Jundiaí, SP
  • Valquíria Hyppólito Barnabé Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Reprodução Animal, São Paulo, SP
  • Renato Campanarut Barnabé Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Reprodução Animal, São Paulo, SP
Palavras-chave: Animais selvagens, Oócitos, Citogenética, Reprodução

Resumo

Este estudo representa a primeira avaliação da maturação nuclear de oócitos por análise citogenética realizada em duas espécies de felídeos brasileiros ameaçados de extinção: L. pardalis (n=5) e L. tigrinus (n=4). Os animais foram submetidos à estimulação ovariana alternada com eCG-hCG e pFSH-pLH a cada quatro meses pelo período de dois anos, perfazendo um total de 6 intervenções. Os oócitos foram recuperados por vídeo-laparoscopia, caracterizados quanto à morfologia e utilizados para determinação dos estágios do ciclo meiótico por análise citogenética e maturação pela caracterização de metáfase II. Dos 33 oócitos de jaguatirica avaliados 12% (n=4) apresentaram cromossomos condensados em seu interior e dos 11 oócitos de gato-do-mato-pequeno avaliados 36% (n=4) apresentaram cromossomos condensados em seu interior, no entanto, nenhum oócito encontrava-se em metáfase II. Avaliação morfológica dos oócitos mostrou as mesmas características encontradas em outros mamíferos. Comparando os tratamentos, não houve diferença significativa (p>;0,05) no número total de estruturas ovarianas (folículos e corpos lúteos recentes) observadas em estimulações alternadas sucessivas, nas duas espécies estudadas. Também não houve diferença significativa em relação ao total de estruturas ovarianas encontradas em cada tratamento (5,7±1,2 eCG/hCG; 7,9±0,9 pFSH/pLH) para L. pardalis e (2,6±0,7 eCG/hCG; 2,0±0,5 pFSH/pLH) para L. tigrinus. Apesar das limitações deste experimento e do número reduzido de oócitos avaliados podemos sugerir que a aspiração folicular após estimulação ovariana com eCG/hCG e pFSH/pLH alternadamente resulta na recuperação de oócitos imaturos, que necessitam de cultivo em meios específicos para atingir o estágio de Metáfase II.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-08-01
Como Citar
Paz, R., Adania, C., Barnabé, V., & Barnabé, R. (2009). Análise citogenética de oócitos de jaguatirica (Leopardus pardalis) e gato-do-mato-pequeno (Leopardus tigrinus) coletados após estimulação ovariana. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 46(4), 309-316. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.bjvras.2009.26779
Seção
NÃO DEFINIDA