Estudo comparativo de três métodos de diagnóstico para detecção de anticorpos anti-Theileria equi em eqüinos de áreas endêmicas do estado do Rio de Janeiro

  • Tiago Marques dos Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Veterinária, Seropédica, RJ
  • Priscila Nogueira Ferraz Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Novo Mundo, MS
  • Fernando Queiroz de Almeida Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Veterinária, Departamento de Medicina e Cirurgia Veterinária, Seropédica, RJ
  • Carlos Luiz Massard Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Veterinária, Departamento de Parasitologia Animal, Seropédica, RJ
  • Cristiane Divan Baldani Universidade Federal do Tocantins, Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia, Aragauaina, TO
  • Paulo de Tarso Landgraf Botteon Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Veterinária, Departamento de Medicina e Cirurgia Veterinária, Seropédica, RJ
  • Huarrisson Azevedo Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Veterinária, Seropédica, RJ
  • Rosangela Zacarias Machado Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias, Departamento de Patologia Veterinária, Jaboticabal, SP
  • Cláudio de Moraes Andrade Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio e Janeiro, Niterói, RJ
Palavras-chave: Babesiose, Cavalos, Theileria equ, Diagnóstico sorológico

Resumo

Este trabalho teve o objetivo de avaliar a reação de imunofluorescência indireta (RIFI), ensaio imunoenzimático (ELISA) e a reação de fixação do complemento (RFC) no diagnóstico de Theileria equi em amostras de soro de 79 equinos na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Seropédica, RJ, Brasil. Houve reação positiva para Theileria equi em 74,7, 75,9 e 60,8% das amostras testadas pela RIFI, ELISA e RFC, respectivamente. Observou-se discrepância em 16,45% (n=13) das amostras de soro testadas pelo ELISA indireto e RIFI. Quando comparado a RIFI e a RFC, a discrepância observada entre os soros testados foi de 36,70% (n=29). O teste ELISA indireto e a RFC apresentaram discordância em 37,97% (n=30) das amostras de soros. Os resultados do presente estudo sugerem que a melhor alternativa para o diagnóstico sorológico de T. equi em eqüinos portadores é a associação dos testes de RIFI e ELISA indireto, especialmente para a realização de estudos soroepidemiológicos.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2009-12-01
Como Citar
Santos, T., Ferraz, P., Almeida, F., Massard, C., Baldani, C., Botteon, P., Santos, H., Machado, R., & Andrade, C. (2009). Estudo comparativo de três métodos de diagnóstico para detecção de anticorpos anti-Theileria equi em eqüinos de áreas endêmicas do estado do Rio de Janeiro. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 46(6), 484-490. https://doi.org/10.11606/S1413-95962009000600007
Seção
NÃO DEFINIDA