Pontes de miocárdio em cães: I. Freqüência e largura

  • Ricardo Coutinho do Amaral Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • Pedro Primo Bombonato Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
Palavras-chave: Anatomia, Cães, Coração, Miocárdio.

Resumo

Estudaram-se em 134 corações de cães de diferentes raças, 80 machos e 54 fêmeas sem aparente patologia cardíaca, a freqüência e largura das pontes de miocárdio, mediante injeção das artérias coronárias com solução de gelatina ou Neoprene látex. Verificou-se que as pontes de miocárdio ocorrem em 45,52% dos cães examinados, sendo mais freqüentemente observadas em machos (27,91%) do que em fêmeas (17,91%), com largura variando de 0,1 cm a 2,3 cm, com média de 0,89 cm, em ventrículos com altura média de 6,38 cm, e a freqüência, largura e o número de pontes de miocárdio num mesmo coração não dependem da altura do ventrículo.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1996-09-01
Como Citar
Amaral, R., & Bombonato, P. (1996). Pontes de miocárdio em cães: I. Freqüência e largura. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 33(3), 153-159. https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v33i3p153-159
Seção
CIÊNCIAS BÁSICAS