Degradabilidade da fibra do bagaço de cana-de-açúcar tratado por soluções alcalinas, pela técnica dos sacos de náilon “in situ”

  • Sérgio Carlo Franco Morgulis Médico veterinário
  • Laércio Melotti Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, São Paulo, SP
  • Carlos de Sousa Lucci Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, SP
  • Oziel Bizutti Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, SP
  • Gilberto Braun Instituto de Zootecnia, Nova Odessa, SP
Palavras-chave: Cana-de-açúcar, Bovinos, Digestibilidade.

Resumo

O bagaço de cana-de-açúcar (BCA) foi submetido a três tratamentos, sendo imerso em uma das seguintes soluções: (A) de NaOH (2% peso/volume), (B) de cinzas de madeira (30% peso/volume) e (C) em água. E constituiu 60% da matéria seca das dietas, junto com 40% de concentrados (milho, grão de soja e farelo de algodão), fornecidas em
ensaios de degradabilidade ruminal para 6 bovinos com fístulas ruminais. O delineamento foi o “change-ovei” (3x3), adotando-se a técnica de sacos de náilon “in situ". A degradabilidade da MS às 48h foi (p<0,05): (A) = 75,14%, (B) = 34,20%, (C) = 24,26%. A degradabilidade da fração FDN do BCA foi sempre maior (p<0,05) no tratamento (A) do que nos demais; já a degradabilidade no tratamento B foi maior (p<0,05) do que no C, às 72 e 96h. A degradabilidade da FDN às 48h de incubação foi: (A) = 74,01%, (B) = 41,61% e (C) = 35,72%. Concluiu-se que os tratamentos alcalinos (soda e cinzas de madeira) melhoram a degradabilidade ruminal do BCA, sendo a soda superior às cinzas.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1996-09-01
Como Citar
Morgulis, S. C., Melotti, L., Lucci, C. de, Bizutti, O., & Braun, G. (1996). Degradabilidade da fibra do bagaço de cana-de-açúcar tratado por soluções alcalinas, pela técnica dos sacos de náilon “in situ”. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 33(3), 165-169. https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v33i3p165-169
Seção
NUTRIÇÃO ANIMAL E DOENÇAS NUTRICIONAIS