Regeneração de fibras nervosas periféricas após degeneração induzida por Haloxon

  • Maria Veronica de Souza Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG
  • Dominguita Luhers Graça Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Patologia, Santa Maria, RS
  • Sandro Narciso Nunes Ferrão Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Patologia, Santa Maria, RS
  • Emerson Antônio Contesini Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, MT
Palavras-chave: Haloxon, Envenenamentos, Ovinos, Neurotoxinas, Regeneração nervosa.

Resumo

Eventos de neurotoxicidade tardia têm sido freqüentemente associados com intoxicação crônica por organofosforados. Com a finalidade de estudar essa condição em ovelhas, 11 animais receberam uma ou duas doses de 353 ou 500 mg/kg de Haloxon via oral. Os animais intoxicados foram observados diariamente e, entre 16 e 25 dias após a intoxicação, sinais neurológicos de incoordenação e ataxia foram detectados em seis deles. Foram realizadas biópsias de nervos tibiais e laríngeos tão logo a neurotoxicidade foi diagnosticada e, após a morte, fragmentos de nervos periféricos selecionados foram colhidos, juntamente com o sistema nervoso central, para estudos de microscopia óptica, eletrônica de transmissão e de fibras desfiadas. Os nervos tibiais, laríngeos e ciáticos mostraram as alterações mais pronunciadas, que consistiram em degeneração walleriana, ora de uma única fibra, ora de todo um fascículo. Após a morte, exames histológicos revelaram fibras em regeneração com brotamentos axonais crescendo dentro de membranas de células de Schwann, alguns exibindo bainhas finas de mielina.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
1996-12-01
Como Citar
Souza, M. V. de, Graça, D., Ferrão, S., & Contesini, E. A. (1996). Regeneração de fibras nervosas periféricas após degeneração induzida por Haloxon. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 33(4), 231-234. https://doi.org/10.11606/issn.2318-3659.v33i4p231-234
Seção
PATOLOGIA ANIMAL