Estudo anatômico dos gânglios celíaco, celiacomesentérico e mesentérico cranial e de suas conexões no gato doméstico (Felix domestica, Linnaeus, 1758)

  • Antonio Augusto Coppi Maciel Ribeiro Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Cirurgia, São Paulo, SP
  • Romeu Rodrigues de Souza Universidade de São Paulo, Instituto de Ciências Biomédicas, Departamento de Anatomia, São Paulo, SP
  • José Barbosa Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, SP
  • Antonio Fernandes Filho Universidade Paulista, Instituto de Ciências da Saúde, São Paulo, SP
Palavras-chave: Anatomia, Gânglios simpáticos, Gânglio mesentérico cranial, Gânglio celiacomesentérico

Resumo

O gânglio celíaco é um dos principais responsáveis pela inervação do estômago, intestinos, fígado, pâncreas e ainda contribui para a inervação do baço, sendo desta forma essencial ao controle da motilidade gastrointestinal. O conhecimento do suprimento nervoso endereçado a estes órgãos é fundamental na clínica médica e cirúrgica no tocante às atonias digestivas, gastroenterites hemorrágicas, torções gástricas e invaginações intestinais. Neste trabalho, estudou-se a anatomia macro e microscópica dos gânglios celíaco, celiacomesentérico e mesentérico cranial. Foram utilizados trinta gatos domésticos, adultos, 10 machos e 20 fêmeas. A aorta torácica desses gatos foi injetada com solução de Neoprene látex 650 corada, sendo os animais congelados por no mínimo 48 horas. A fixação foi feita posteriormente com solução aquosa de formol a 10%. Nos estudos microscópicos, utilizaram-se as seguintes colorações: hematoxilina-eosina, tricrômico de Masson, reticulina e hematoxilina ácida fosfotúngstica. O gânglio celíaco ocorreu 7 vezes, sendo 4 direitos e 3 esquerdos, predominando a forma elíptica (23,3%) e a situação periarterial. Os gânglios celiacomesentéricos foram contados em número de 24, sendo 11 independentes; 2 apresentando as porções direita e esquerda e 11 gânglios celiacomesentéricos direitos com uma porção mesentérica cranial esquerda, tendo formato semilunar assimétrico. Esses achados sugerem o predomínio da fusão do gânglio celíaco ao mesentérico cranial, constituindo assim o gânglio celiacomesentérico. Este é formado por neurônios imersos em abundante matriz conjuntiva fibrosa, envoltos por uma cápsula contendo fibras elásticas, colágenas e reticulares, apresentando uma continuidade nos pontos de fusão ganglionar.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2000-01-01
Como Citar
Ribeiro, A., Souza, R., Barbosa, J., & Fernandes Filho, A. (2000). Estudo anatômico dos gânglios celíaco, celiacomesentérico e mesentérico cranial e de suas conexões no gato doméstico (Felix domestica, Linnaeus, 1758). Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 37(4), 267-272. https://doi.org/10.1590/S1413-95962000000400001
Seção
CIÊNCIAS BÁSICAS