Estudo histoquímico de proteínas fibrilares da matriz extracelular em neoplasias mamárias benignas e malignas na espécie canina

  • Ana Maria Cristina Rabello Pinto da Fonseca Martins Instituto Biológico, Laboratório de Anatomia Patológica, São Paulo, SP
  • Elia Tamaso Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Patologia, São Paulo, SP
  • José Luiz Guerra Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, Departamento de Patologia, São Paulo, SP
Palavras-chave: Neoplasias mamárias, Colágeno, Cães, Matriz extracelular

Resumo

A finalidade do presente trabalho foi estudar algumas das proteínas fibrilares da matriz extracelular de 54 neoplasias mamárias benignas e malignas na espécie canina, utilizando métodos histoquímicos: Picrosirius associado à polarização para fibras colágenas , método de Gordon - Sweats para fibras reticulares e método de Weigert com e sem oxidação para fibras elásticas. Evidenciou-se na matriz uma grande variabilidade na quantidade, distribuição e características dos componentes matriciais presentes nos diferentes tipos de neoplasias. Detectou-se, assim, colágeno I, III e elementos do sistema elástico, distribuídos diferentemente nas neoplasias benignas e malignas. O método Picrosirius simples e associado à polarização permitiu a visualização do colágeno sob a forma de fibras espessas distribuídas irregularmente no estroma dos carcinomas e de modo mais ordenado e regular nas neoplasias benignas e, fibras mais finas, em menor quantidade, irregularmente e aleatoriamente dispostas nos carcinomas e regularmente nas neoplasias benigna. Sob luz polarizada os feixes de fibras colágenas , apresentaram diferentes comprimentos, avermelhados ou amarelados e fortemente birrefringentes, sugerindo serem colágeno tipo I e, entremeando as fibras, algumas mais finas ,pálidas, esverdeadas e fracamente birrefringentes, presumivelmente colágeno tipo III. Em áreas condrometaplásicas, tanto nos carcinomas como nas neoplasias benignas notou-se que os feixes colágenos apresentavam-se com fibras finas, paralelas, limitando regiões estreitas onde os condrócitos se aninhavam, e, rodeando esta área, feixes de fibras espessas, anastomosadas, dispostas irregularmente nos carcinomas e ordenadamente e paralelas nas neoplasias benignas. Sob luz polarizada, essa população entre condrócitos era formada por fibras pálidas e amareladas, sugerindo padrão tipo II e na faixa circundante, feixes fortemente birrefringentes, sugerindo o padrão do colágeno tipo I.. O uso do método - Gordon & Sweats, permitiu a visualização do colágeno sob a forma de fibras finas, dispostas tanto nos estromas densos como nos frouxos, com densidade variada mas, principalmente , margeando os ácinos e túbulos. Quanto à presença do sistema elástico em tumores benignos e malignos, verificou-se que há predomínio dessas fibras nos malignos, principalmente na pseudocápsula e ao redor de ácinos e túbulos. Elementos do sistema elástico não foram observados em espécimes submetidos à coloração de Weigert sem oxidação. Neste mesmo material, com oxidação, as fibras oxitalâmicas foram mais evidentes principalmente ao redor de ácinos, túbulos e pseudocápsula. Elementos do sistema elástico na (MEC) foram raros, tanto em amostras com e sem oxidação. Isto pode ser observado de maneira semelhante tanto em tumores benignos e malignos. Os resultados deste estudo enfatizam as profundas alterações estruturais dos componentes colagenosos e fibras do sistema elástico na matriz extracelular de neoplasias mamárias da espécie canina.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2002-01-01
Como Citar
Martins, A., Tamaso, E., & Guerra, J. (2002). Estudo histoquímico de proteínas fibrilares da matriz extracelular em neoplasias mamárias benignas e malignas na espécie canina. Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 39(1), 43-49. https://doi.org/10.1590/S1413-95962002000100008
Seção
NÃO DEFINIDA