Efeitos do fluoreto de sódio no epitélio da brânquia do peixe Guaru (Poecilia vivipara)

  • Leandro Breseghelo Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biomédicas, Departamento de Morfologia, Laboratório de Comportamento Celular, Goiânia, GO
  • Márcia Pereira Cardoso Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biomédicas, Departamento de Morfologia, Laboratório de Comportamento Celular, Goiânia, GO
  • Rodinelli Borges-de-Oliveira Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biomédicas, Departamento de Morfologia, Laboratório de Comportamento Celular, Goiânia, GO
  • Marcelo Ferreira da Costa Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical, Goiânia, GO
  • José Clecildo Bezerra Barreto Universidade Federal de Goiás, Instituto de Patologia Tropical, Goiânia, GO
  • Simone Maria Teixiera de Sabóia-Morais Universidade Federal de Goiás, Instituto de Ciências Biomédicas, Departamento de Morfologia, Laboratório de Comportamento Celular, Goiânia, GO
  • Áureo Tatsumi Yamada Universidade Estadual de Campinas, Instituto Biológico, Laboratório de Citoquímica, Campinas, SP
Palavras-chave: Brânquias, Células do cloro, Células mucosas, Esquistossomose, Fluoreto de sódio

Resumo

O flúor é muito utilizado pelo homem e facilmente encontrado na natureza. Por isso, vários estudos foram realizados visando a toxicidade e o seu efeito cumulativo nos tecidos animais. É descrito que o fluoreto de sódio pode ser empregado no controle do hospedeiro da esquistossomose (Biomphalaria glabrata). Visando a preservação do meio aquático, propõe-se a verificação do efeito do fluoreto de sódio em peixes (Poecilia vivipara). Dez peixes foram submetidos à água declorinada (GC) e o restante foi submetido à água contendo fluoreto de sódio na concentração de 5 ppm (GE), por vinte e um dias. Após esse período, os animais foram sacrificados e suas brânquias foram retiradas. As brânquias foram fixadas, pós-fixadas e desidratadas de acordo com o protocolo das técnicas de histoquímica e análise ultra-estrutural, respectivamente. As peças foram diafanizadas em xilol. Para observação histológica das células mucosas e células do cloro, foi utilizada a técnica de coloração de Hematoxilina + eosina. E para a detecção histoquímica de glicoconjugados utilizou-se as técnicas de P.A.S., P.A.S + amilase salivar, P.A.S. + acetilação, P.A.S. + acetilação reversível, alcian Blue (AB) pH 2,5 + metilação, AB pH 2,5 + metilação reversível, AB pH 2,5 e AB pH 0,5. Observou-se aumento na secreção de muco e na quantidade de células mucosas do epitélio branquial, além de diferenças na reatividade histoquímica das células mucosas do GE comparados ao GC, sugerindo uma resposta adaptativa desses animais ao novo ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2004-08-01
Como Citar
Breseghelo, L., Cardoso, M., Borges-de-Oliveira, R., Costa, M., Barreto, J., Sabóia-Morais, S., & Yamada, Áureo. (2004). Efeitos do fluoreto de sódio no epitélio da brânquia do peixe Guaru (Poecilia vivipara). Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 41(4), 274-280. https://doi.org/10.1590/S1413-95962004000400009
Seção
NÃO DEFINIDA