Uso do corante azul de metileno a 2% na localização do linfonodo axilar em cadelas (Canis familiaris – Linnaeus, 1758)

  • Tábata Maués Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Veterinária
  • Carolina Bistritschan Israel Médica veterinária autônoma
  • Maria de Lourdes Gonçalves Ferreira Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Veterinária, Departamento de Patologia e Clínica Veterinária
  • Ana Maria Reis Ferreira Universidade Federal Fluminense, Faculdade de Veterinária, Departamento de Patologia e Clínica Veterinária
Palavras-chave: Sentinela, Neoplasia, Metástase, Mama

Resumo

A biopsia de linfonodo sentinela (LS) é cada vez mais utilizada para a determinação do estadiamento clínico tumoral. O acometimento de linfonodos em animais com doença oncológica possui forte valor prognóstico no tumor da glândula mamária. Em medicina veterinária faltam diretrizes bem estabelecidas para a avaliação do LS. O objetivo deste estudo foi avaliar a eficácia do corante azul de metileno a 2% na identificação do linfonodo axilar em cadelas com lesões mamárias. Para tanto, foram utilizadas 101 cadelas, portadoras de lesões mamárias, submetidas à mastectomia radical unilateral ou bilateral. Antes do início da cirurgia, aplicou-se, por via intradérmica, na área ao redor da mama torácica cranial, solução de azul de metileno a 2% estéril. O corante foi eficaz na identificação do linfonodo axilar em 76,27% das cadeias mamárias. Obtiveram-se estruturas coradas em azul, semelhantes a linfonodos em 78,81% dos casos. Dessas estruturas, 96,77% foram confirmadas ao exame histopatológico como linfonodos. Dada a importância prognóstica do comprometimento de linfonodos em alguns tumores, a avaliação do LS deve ser incorporada à rotina clínica, de modo a permitir um estadiamento mais preciso das cadelas com neoplasia mamária.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2016-04-12
Como Citar
Maués, T., Israel, C., Ferreira, M. de L., & Ferreira, A. M. (2016). Uso do corante azul de metileno a 2% na localização do linfonodo axilar em cadelas (Canis familiaris – Linnaeus, 1758). Brazilian Journal of Veterinary Research and Animal Science, 53(1), 32-38. https://doi.org/10.11606/issn.1678-4456.v53i1p32-38
Seção
ARTIGO COMPLETO