Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Celastraceae Sensu Lato

  • Milton Groppo Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Departamento de Biologia
  • Cíntia Erbert Universidade de São Paulo. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Departamento de Biologia
Palavras-chave: Hippocrateaceae, Florística, Campo Rupestre, Cadeia do Espinhaço

Resumo

O estudo da família Celastraceae é parte do levantamento da “Flora da Serra do Cipó”, Minas Gerais, Brasil. Em sua delimitação mais recente, as Celastraceae sensu lato englobam as Hippocrateaceae, já tratadas em levantamento anterior para a Serra Cipó, esta última com três gêneros (Cheiloclinium, Peritassa e Tontelea) e quatro espécies. A estes gêneros e espécies de Hippocrateceae são somadas agora as espécies de Celastraceae sensu stricto, com o gênero Maytenus (sete espécies) e Plenckia, com uma espécie, além de duas espécies de dois gêneros (Pristimera e Salacia) das tradicionais Hippocrateaceae coletadas após a publicação do levantamento. Com isso, para a Serra do Cipó são registrados sete gêneros e 14 espécies de Celastraceae sensu lato. São apresentadas chaves para os gêneros e espécies de Celastraceae sensu lato e descrições e ilustrações das Celastraceae sensu stricto (não tratadas anteriormente), além de comentários sobre sua distribuição geográfica, fenologia e variabilidade. Comentários e uma lista atualizada de exsicatas das “Hippocrateaceae” são também apresentados. Adicionalmente, é proposta a sinonímia de Maytenus salicifolia Reissek sob Maytenus gonoclada Mart.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2015-11-25
Como Citar
Groppo, M., & Erbert, C. (2015). Flora da Serra do Cipó, Minas Gerais: Celastraceae Sensu Lato. Boletim De Botânica, 33, 15-27. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v33i0p15-27
Seção
Artigos