A flórula rupestre do Pico de Itabirito, Minas Gerais, Brasil: lista das plantas vasculares

  • Wagner Antunes Teixeira Governo do Estado de Minas Gerais
  • José Pires de Lemos Filho Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Campo ferruginoso, Campo rupestre, Cadeia do Espinhaço, Fitogeografia

Resumo

O presente trabalho apresenta um novo inventário de espécies de plantas vasculares de campos rupestres da Cadeia do Espinhaço. A área de estudos insere-se no Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais, na região do Pico de Itabirito, município de Itabirito, cujas coordenadas geográficas centrais são 20º 13′ 43″ S e 43º 51′ 39″ W. A área amostrada possui 1193 ha, com cotas superiores a 1300 m acima do nível do mar, cuja vegetação é constituída predominantemente por campos rupestres ferríferos e quartzíticos. Foram encontradas 722 espécies distribuídas em 100 famílias e 384 gêneros. As dez famílias com maior riqueza específica são Asteraceae (99 spp.), Orchidaceae (62 spp.), Melastomataceae (50 spp.), Leguminosae (36 spp.), Poaceae (30 spp.), Rubiaceae (26 spp.), Apocynaceae (23 spp.), Myrtaceae (22 spp.), Malpighiaceae (18 spp.), Cyperaceae (15 spp.), Eriocaulaceae (14 spp.) e Solanaceae (13 spp.). 47 espécies constam da revisão de 2012 das Listas das Espécies da Flora Ameaçadas de Extinção do Estado de Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wagner Antunes Teixeira, Governo do Estado de Minas Gerais
Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - SEMAD
José Pires de Lemos Filho, Universidade Federal de Minas Gerais
ICB. Departamento de Botânica
Publicado
2013-12-01
Como Citar
Teixeira, W., & Lemos Filho, J. (2013). A flórula rupestre do Pico de Itabirito, Minas Gerais, Brasil: lista das plantas vasculares. Boletim De Botânica, 31(2), 199-230. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9052.v31i2p199-230
Seção
Artigos