Fazer-se antropóloga na terra do agronegócio

adversidades e desafios no trabalho antropológico em Mato Grosso do Sul

  • Lauriene Seraguza Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Mato Grosso do Sul, Guarani, Kaiowá, Desafios, Trabalho de campo

Resumo

Neste ensaio procuro refletir sobre o meu processo de formação em antropologia no Mato Grosso do Sul, estado conhecido pela expansão do agronegócio, levando em consideração a necessidade de se pensar sobre o trabalho antropológico quando se vive num cenário de adversidades, como é conhecido entre os Guarani e Kaiowa. Em virtude disto, as demandas exigidas aos antropólogos ultrapassam as raias das reflexões teórico metodológicas e se encontram com o cotidiano, o Judiciário, as agências públicas do Estado e a luta dos povos indígenas pela garantia de seus direitos. Isto implica que façamos reflexões sobre o nosso atuar e questionemos alguns entendimentos das noções de violência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lauriene Seraguza, Universidade de São Paulo

Possuo graduação em Letras Licenciatura com habilitação em Português-Inglês pela UFMS (2005)/UFGD(2006). Mestre em Antropologia Sociocultural pela UFGD/PPGAnt (2013), na linha de pesquisa em Etnologia Indígena. Doutoranda em Antropologia Social no PPGAS/USP. Atuo nas áreas de Etnologia Indígena, com ênfase nas temáticas de organização social, parentesco, transformações e cosmologias ameríndias e gênero entre os Kaiowa e Guarani em MS.

Publicado
2018-12-26
Seção
Especial