Ingresso e permanência de estudantes indígenas na universidade

desafios para uma agenda epistemológica em construção

Autores

  • Ana Cláudia Gomes Souza Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p67-85

Palavras-chave:

Universidade, UFBA, Estudantes Indígenas, Ações Afirmativas, Autoantropologia

Resumo

A nova diversidade étnico-racial que passou a caracterizar, desde 2005, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) através do seu Programa de Ações Afirmativas e o ingresso de estudantes indígenas e quilombolas, levou-me a observar o espaço universitário para a compreensão de como esses novos sujeitos se apropriam desse espaço e protagonizam essa nova realidade. Desse modo, na pesquisa realizada envidei esforços para reconstituir a história da presença dos estudantes indígenas nesses dez anos de ações afirmativas da UFBA, a partir do levantamento de dados etnográficos produzidos na interação com os estudantes. No presente artigo apresento e problematizo algumas das questões que suscitei ao realizar o trabalho de campo, tomando como locus de investigação a universidade, o protagonismo dos universitários indígenas cotistas e a interação que desenvolvemos em campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cláudia Gomes Souza, Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira

Doutorado em antropologia (PPGA/UFBA), professora adjunta UNILAB (Campus Malês), pesquisadora do PINEB/UFBA.

Referências

ALBERT, Bruce; RAMOS, Alcida Rita (Org.). Pacificando o branco: cosmologias do contato norte-amazônico. São Paulo: UNESP, 2002.

ALBUQUERQUE, Marcos Alexandre S. O regime imagético Pankararu (tradução intercultural na cidade de São Paulo) [tese]. Universidade Federal de Santa Catarina. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Florianópolis, 2011

BRASIL. Lei nº 12.711,de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências.Diário Oficial da União, seção 1. Brasília, Subchefia de assuntos jurídicos, Ministério da Casa Civil, 2012.

CARVALHO, José Jorge. Inclusão étnica e racial no Brasil. São Paulo: Attar Editorial, 2006.

FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça na era pós-socialista. In: SOUZA, Jessé (org.). Democracia hoje: novos desafios para a teoria democrática contemporânea. Brasília: Editora da UnB, 2001, pp. 246-282.

FREITAS, Ana Elisa de Castro. Apresentação. Um panorama da institucionalização do Grupos PET-Indígenas nas universidades e institutos federais por meio do Programa de Educação Tutorial / Conexões de Saberes do Ministério da Educação do Brasil. In: FREITAS, A. E. C (org.). Intelectuais indígenas e a construção da universidade pluriétnica no Brasil: povos indígenas e os novos contornos do programa de educação tutorial / Conexões de saberes. Rio de Janeiro: E-papers, 2015, pp. 9-18.

GALEANO, Eduardo. Entrevista a Caros Amigos. Revista Caros Amigos. São Paulo. 14 de abril de 2015.

GOMES, Ana Maria R.; MIRANDA, Shirley Aparecida de. A formação de professores indígenas na UFMG e os dilemas das “culturas” entre os Xacriabá e os Pataxó. In: CARNEIRO DA CUNHA, M.; CESARINO, P. N. (orgs). Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, pp.455-84.

MARCUS, George. Multi-Situated Ethnography‖. In: MARCUS, George. Ethnography through Thick & Thin, Princeton: Princeton University Press, 1998.

MÉSZÁROS, István. A montanha que devemos conquistar reflexões acerca do Estado. São Paulo: Boitempo, 2014.

PALADINO, Mariana. Estudar e experimentar na cidade: Trajetórias sociais, escolarização e experiência urbana entre “Jovens” indígenas ticuna, Amazonas. (Tese). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2006.PET –Comunidades Indígenas. Xoça Manifesto, Salvador, 2011. SAMPAIO, O.R.A. A Universidade como área de influência: o olhar de um Guarani sobre sua trajetória acadêmica. In: NOVAK, S.J. et al. Educação Superior Indígena no Paraná. Maringá: EDUEM, 2010.

SANTOS, Jocélio Teles dos Santos. Introdução. In: SANTOS, J. T. (org). Cotas nas universidades: análise dos processos de decisão. Salvador: CEAO, 2012, pp. 9-15.

STRATHERN, Marilyn. O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2009, pp. 7-72

Downloads

Publicado

2019-12-04

Como Citar

Souza, A. C. G. (2019). Ingresso e permanência de estudantes indígenas na universidade: desafios para uma agenda epistemológica em construção. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 28(2), 67-85. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p67-85

Edição

Seção

Artigos e Ensaios