O "Corpo Nasce de uma Identidade"

Reflexões sobre a construção do corpo em experiências transgênero

Autores

  • Isabel Wittmann PPGAS-USP

Resumo

Esse artigo explora aspectos sobre a construção do corpo relacionada ao gênero enquanto performatividade. O ponto de partida são relatos etnográficos que envolvem a experiência transgênero, capaz de expor a artificialidade dos próprios corpos. A partir daí discute a inexistência de um corpo em estado natural e a arbitrariedade das definições de masculinidades e feminilidades, apresentando a noção de ciborgue como uma possibilidade de analisar intervenções, sejam elas cirúrgicas, hormonais ou outras ainda. Assim, destaca a relação entre corpos e subjetividades e os conflitos transfóbicos provenientes das normativas em torno deles. Por fim, é possível, com isso, questionar o olhar patologizante sobre as alterações corporais quando em narrativas de transgeneridade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Guilherme. A propósito da discussão de feminilidades trans: notas sobre invisibilização, cidadania corpo e processo transexualizador. In: SILVA, Daniele Andrade da; HERNÁNDEZ, JIMENA de Garay; SILVA JUNIOR, Aureliano Lopes, UZIEL, Anna Paula. Feminilidades: Corpos e sexualidades em debate. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2013.

ÁVILA, Simone. Transmasculinidades: A emergência de novas identidades políticas e sociais. Rio de Janeiro: Plural, 2014.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006. 256p._____. A diferença que faz a diferença. Bagoas, n.4, p. 95-112, 2009.

BENEDETTI, Marcos. A batalha e o corpo: breves reflexões sobre travestis e prostituição. Boletín Ciudadania Sexual, v.11, p.5-8, 2004.

BONASSI, Brune Camilo. Cisnorma: Acordos societários sobre sexo binário e cisgênero. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Centro de Filosofia e Ciências Humanas,

Universidade de Santa Catarina, 2017.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: Sobre os limites discursivos do Sexo. In: LOURO, Guacira, Lopes. O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Undoing Gender. New York: Routledge, 2004.CAZARRÉ, Marieta. Com 600 mortes em seis anos, Brasil é o que mais mata travestis e transexuais. Disponível em: <http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2015-11/com-600-mortes-em-seis-anos-brasil-e-o-que-mais-mata-travestis-e>. Acesso em: 06 de maio de 2016.

DUQUE, Tiago. Da finada à europeia: experiências de ser, não permanecer e estar travesti na adolescência. Bagoas, n.7, p.173-198,2012.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: História da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1986.

GIDDENS, Anthony. Modernidade e Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002.

GOLDENBERG, Miriam. Gênero, “o corpo” e “imitação prestigiosa” na cultura brasileira. Saúde e Sociedade, v.20, n.3, p. 543-553,2011.

HALL, Stuart. Quem precisa de identidade? In: Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2011.

HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: HARAWAY, Donna; HARI, Kunzru; TOMAZ, Tadeu (org.). Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

HEILBORN, Maria Luiza. “Ser ou estar homossexual: dilemas de construção da identidade social” In: PARKER, Richard e BARBOSA, Regina. Sexualidades Brasileiras. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1996, p. 136-145.

HORMÔNIOS Femininos -Travestis e Transexuais. Transexualidade. Disponível em :<http://reicla-trans.blogspot.com.br/2011/04/hormonios-femininos-travestis-e.html>. Acesso em: 15/11/2015.

LAURETIS, Teresa de. Technologies of Gender: Essays on theory, film and fiction. Indianapolis: Indiana University Press, 1987.

LOPES, Débora. O brasileiro que manja tudo da arte de fabricar pintos. Disponível em: <http://www.vice.com/pt_br/read/packers-tboy-david-vimmermann>. Acesso em 30 de janeiro de 2016.

MALUF, Sonia Weidner. Corpo e corporalidade nas culturas contemporâneas: abordagens antropológicas. Esboços, v.9, n.9, p. 87-101,2001.

MALUF, Sonia. Corporalidade e desejo: Tudo sobre minha mãe e o gênero na margem. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 143-153, 2002.

MARTINELLI, Andréa. Após 28 anos, OMS deixa de classificar transexualidade como doença mental. HuffPostBrasil. Disponível em: <https://www.huffpostbrasil.com/2018/06/18/apos-28-anos-transexualidade-deixa-de-ser-classificada-como-doenca-pela-oms_a_23462157/>. Acesso em: 09/08/2018. MAUSS, Marcel. Noção de técnica do corpo. In: ______ Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2011. p.399-422.

MURTA, Daniela. Entre o “transexualismo verdadeiro” e a diversidade de experiências trans: uma discussão crítica sobre a produção da identidade transexual universal. In: SILVA, Daniele Andrade da; HERNÁNDEZ, JIMENA de Garay; SILVA JUNIOR, Aureliano Lopes, UZIEL, Anna Paula. Feminilidades: Corpos e sexualidades em debate. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2013.

NICHOLSON, Linda. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, v.8, n.2, p.9-41,2000.

PARREIRAS, Carolina. Fora do armário...dentro da tela: Nota sobre avatares, (homo) sexualidades e erotismo a partir de uma comunidade virtual. In: DÍAZ-BENITEZ, Maria Elvira, FÍGARI, Carlos Eduardo (org). Prazeres dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

PELÚCIO, Larissa. Na noite nem todos os gatos são pardos: notas sobre a prostituição travesti. Cadernos Pagu, n. 24, p.217-248,2005.

PELÚCIO, Larissa. "Toda quebrada na plástica: corporalidade e construção de gênero entre travestis paulistas". Campos, n.6, p.97-112,2005.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

SVENDSEN, Lars. Moda: uma filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

VELHO, Gilberto. Nobres & Anjos. Rio de janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

VENCATO, Anna Paula. Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil.São Paulo: Annablume, 2013.274p

Downloads

Publicado

2019-12-04

Como Citar

Wittmann, I. (2019). O "Corpo Nasce de uma Identidade": Reflexões sobre a construção do corpo em experiências transgênero. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 28(2), 86-107. Recuperado de http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/149227

Edição

Seção

Artigos e Ensaios