Museologia Social e novos atores no Rio de Janeiro

o caso do Museu de Favela

  • Leonardo Perdigão Leite Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Museologia Social; Museu de Favela;, Patrimônio; Memória; Poder.

Resumo

O presente trabalho visa tecer relações entre as novas produções museais e museológicas presentes na cidade do Rio de Janeiro com discussões sobre patrimônios, memórias e museus. O estudo foi pautado na corrente teórica conhecida como Museologia Social ou Sociomuseologia. Também são analisadas as mudanças paradigmáticas que essa maneira de pensar e fazer museus traz para a área. Ademais, discutimos alguns projetos museais inovadores pautados nesses princípios, como o Museu de Favela Cantalo Pavão-Pavãozinho (MUF), e como a entrada de novos atores nas discussões sobre os patrimônios, os museus e as memórias abre a área para novos modos de pensar, fazer e conceituar esses campos, mostrando que há sempre uma disputa política e de poder nesses movimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leonardo Perdigão Leite, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando em Psicologia Social pelo PPGPS da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Mestre em Psicologia Social. Graduado em Museologia e Pedagogia.

Referências

BARBOSA, Jorge; SILVA, Jailson. As favelas como territórios de reinvenção da cidade. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, Rio de Janeiro, n. 1, fev. 2013.
BRASIL. Ministério da Cultura. Bases para a Política Nacional de Museus: Memória e Cidadania. Brasília: Minc, 2003.
CHAGAS, Mário. Há uma gota de sangue em cada museu: a ótica museológica de Mário de Andrade. Chapecó: Argos, 2006
CHAGAS, Mário. A imaginação museal: Museu, memória e poder em Gustavo Barroso, Gilberto Freyre e Darcy Ribeiro. Rio de Janeiro: MinC/IBRAM, 2009
CHAGAS, Mário; STUDART, Denise; STORINO, Claudia. (orgs). Museus, biodiversidade e sustentabilidade ambiental. Rio de Janeiro: Espirógrafo Editorial: Associação Brasileira de Museologia, 2014.
CHAGAS, Mário; GOUVEIA, Inês. Museologia social: reflexões e práticas (à guisa de apresentação). Cadernos do CEOM, Santa Catarina, v. 27, p. 9-22, 2014.
CHAGAS, Mário; PRIMO, Judite; ASSUNÇÃO, Paula; STORINO, Claudia. A museologia e a construção de sua dimensão social: olhares e caminhos. Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, v. 55, p. 73-102, 2018.
GONÇALVES, J. R. S. O patrimônio como categoria de pensamento. In: ABREU, R.; CHAGAS, M (orgs). Memória e patrimônio: ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.
JEUDY, Henri-Pierre. Memórias do social. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1990.
LATOUR, Bruno. Como falar do corpo? A dimensão normativa dos estudos sobre a ciência. Tradução de Gonçalo Praça. In: ARRISCADO, João; NUNE, Ricardo Roque (org) Objectos Impuros. Experiências em Estudo sobre a Ciência, Edições Afrontamento, Porto 37-62. Disponível em: . Acesso em 12/08/2013.
MOUTINHO, Mário C. (1993). Sobre o conceito de museologia social. Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, v. 1, p.7-9, 1993.
POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, 1989.
RODRIGUES, Fernanda. Registros de Memória em Arte Fugaz: o Graffiti das Casas-Telas do Museu de Favela (2010-2014). Dissertação (Mestrado em Memória Social) – Programa de Pós-Graduação em Memória Social. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
TOLENTINO, Atila. Museologia Social: apontamentos históricos e conceituais. Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, v. 52, p. 21-44, 2016.
UNESCO. ICOM. Documento da Mesa Redonda de Santiago do Chile. Santiago, 1972
UNESCO. ICOM. Declaração de Quebec. Quebec, 1984.
Publicado
2019-06-19
Como Citar
Leite, L. (2019). Museologia Social e novos atores no Rio de Janeiro. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 28(1), 273-295. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i1p273-295
Seção
Especial