‘’Por esse amor não peço nada em troca’’.

o trabalho voluntário da Torcida Uniformizada do Fortaleza

  • Matheus Braga Ximenes Universidade Estadual do Ceará

Resumo

Esse artigo pretende analisar as ações da Torcida Uniformizada do Fortaleza (TUF), que tem como um dos objetivos não só incentivar o time do Fortaleza Esporte Clube nas arquibancadas, como também na reforma e ampliação do patrimônio físico do clube, por meio de campanhas de arrecadação de dinheiro e material de construção. A análise se dá considerando o futebol como um campo, nos termos usados por Pierre Bourdieu, um espaço marcado pela disputa de um capital simbólico próprio e formas de consagração específicas. Partindo das falas dos torcedores através de entrevistas, assim como da observação das reuniões realizadas na Sede da torcida, observou-se que, o grupo tem conquistado prestígio, sendo considerado pelos torcedores um modelo de Torcida Organizada a ser seguido. Esse crescimento do valor da associação, nesse espaço social onde a dádiva, o dar sem esperar algo em troca, o sacrifício em nome de algo maior (o clube) e a supressão dos interesses individuais são considerados valores supremos, tem sido conquistado a partir de dois modos de manifestação pública de desinteresse: primeiro, por algum ganho financeiro, explicitada pela constante divulgação nos meios de comunicação das prestações de conta do que é arrecadado junto aos torcedores, e finalmente pela renúncia da busca de consagração, ou seja, pela própria forma específica de capital simbólico aí em jogo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARCHETTI, Eduardo. Fútbol y ethos. In: Monografias e informes de investigación. Buenos Aires: FLACSO – Series de investigación, 1985.
BOURDIEU, Pierre. Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983.
______. Razões práticas. Sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996a.
______. Coisas Ditas. São Paulo: Brasiliense, 1990.
______. A produção da crença. Contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2006.
______. A distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2008.
______. O senso prático. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.
COPANS, Jean. Antropologia, ciência das sociedades primitivas? São Paulo: Edições 70, 1971.
CAILLÉ, Alain. Antropologia do dom: o terceiro paradigma. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.
DAMO, Arley. Do dom à profissão: uma etnografia do futebol de espetáculo a partir da formação de jogadores no Brasil e na França. Tese (Doutorado em Antropologia) - Rio Grande do Sul: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, 2005, 435p.
RIAL, Rodar: A circulação dos jogadores de futebol brasileiros no exterior. Horizontes Antropológicos. Porto Alegre, nº 30, 2008.
STONER, James.; FREEMAN, Edward. Administração. 5.ed. Rio de Janeiro: PHB, 1995.
SETTON, Maria da Graça Jacintho. Rotary Club. Habitus, estilo de vida e sociabilidade. São Paulo: Annablume, 2004.
MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU, 1974.
MAGNANI, José. Cardoso. O velho e bom caderno de campo. Revista Sexta-Feira, n.1, p.8-12, maio 1997.
OLIVEIRA, Cardoso. O trabalho do antropólogo. Brasília: Paralelo 15; São Paulo: Unesp, 2006
ORTIZ, Renato. A procura de uma sociologia da prática. In: ORTIZ, Renato. (org.). Pierre Bourdieu: Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.
Publicado
2019-12-04
Como Citar
Ximenes, M. (2019). ‘’Por esse amor não peço nada em troca’’. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 28(2), 108-127. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p108-127
Seção
Artigos e Ensaios