Gênero e emoções na publicidade da imprensa feminina

Autores

  • Charles Antonio Pereira Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p260-280

Palavras-chave:

gênero, feminilidades, imprensa feminina, emoções, revistas

Resumo

Com base na análise das peças publicitárias de produtos cosméticos presentes em exemplares da década de 1920 da revista A Cigarra e do ano de 2016 da revista Marie Claire, buscarei demonstrar as permanências e descontinuidades nos discursos regulatórios de gênero a respeito dos estilos de feminilidades veiculados por essas publicações. Procuro discutir como, apesar das inúmeras conquistas femininas no decorrer desses quase cem anos que as distanciam, muito do discurso publicitário da década de 1920 se apresenta de maneira semelhante às publicações voltadas para as mulheres na atualidade, por vezes se reinventando em relação à forma, mas se mantendo fiel a um conteúdo historicamente implícito sobre o papel feminino hegemônico em nossa sociedade. Aliado a isso, procuro analisar ainda como o discurso publicitário se apropria de uma “linguagem das emoções” baseada nos papéis tradicionais de gênero a fim de se aproximar de seu público-alvo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTONIO, Andrea Tochio de. Corpo e estética: um estudo antropológico da cirurgia plástica. (2008). Dissertação de Mestrado em Antropologia Social- Universidade Estadual de Campinas, São Paulo.
BELELI, Iara. Marcas da diferença na propaganda brasileira. 2005. 176 f. Tese (Doutorado) - Curso de Pós- Graduação em Ciências Sociais, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, Campinas, 2005. Disponível em:
<http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=vtls000373844&fd=y>. Acesso em: 24 out. 2019
. Corpo e identidade na propaganda. Revista Estudos Feministas, v. 15 n.1, p. 193-215, 2007. Disponível em: < http://www.pagu.unicamp.br/node/14 >. Acesso em 24 out. 2019.
BUITONI, Dulcília Schoeder. Imprensa Feminina. São Paulo: Ática, 1986. 96 p. (Série Princípios, 41).
. Mulher de Papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. 2. ed. São Paulo: Summus, 2009. 239 p.
BUTLER, Judith. Cuerpos que importan: sobre los limites materiales y discursivos del sexo. Buenos Aires: Paidós, 2005.

ELIAS, Norbert. O processo civilizador. Vol. I: uma História dos Costumes. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011, p. 264.

FAJANS, Jane. Autonomy an Relatedness: emotions and their tensions between individuality and sociality. Critique of Antropology, v.26, n.1, p. 108-119, 2006.

HEILBORN, Maria Luiza e SORJ, Bila. (1999). “Estudos de Gênero no Brasil”. In: Miceli, Sergio (org). O que ler nas ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: Editora Sumaré: ANPOCS; Brasília, DF: CAPES.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Bauru: Edusc, 2001.

LUTZ, Catherine A. A unnatural Emotions – everyday sentiments on a Micronesian attol and their challenge to Western theory. Chicago: University of Chicago Press. 1988

MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 298, jan. 2016. Mensal.
MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 299, fev. 2016. Mensal.
MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 300, mar. 2016. Mensal.
MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 301, abr. 2016. Mensal.
MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 302, maio 2016. Mensal.
MARIE CLAIRE. Brasil: Editora Globo, v. 303, jun. 2016. Mensal
.
MORIN, Edgar. Cultura de massas no século XX- Vol, 1: Neurose. 10. ed. São Paulo: Forense Universitária, 2011. 204 p.

ORTNER, Sherry B. Está a mulher para o homem assim como a natureza para a cultura? In: ROSALDO, Michelle e LAMPHERE, Loise. (orgs) A mulher, a cultura e a sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979
AUTOR.Entre "seios aformoseados" e "viva sua beleza":feminilidades em contraste na publicidade da imprensa feminina. 2017. 95 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Ciências Sociais, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2017. Disponível em: <https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/5366>. Acesso em: 10 nov. 2017.
PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2008. 190p.

PRIORE, Mary del; AMANTINO, Mácia (Org.). História do Corpo no Brasil. São Paulo: Unesp, 2011. 568 p.

REZENDE, Claudia Barcellos; COELHO, Maria Claudia. 2010. Antropologia das Emoções. Rio de Janeiro: Editora FGV.

SANT'ANNA, Denise Bernuzzi de. História da beleza no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014. 205 p.
_______________. “Cuidados de Sí e embelezamento feminino: fragmentos para uma história do corpo no Brasil. In. (Org.). Políticas do corpo: elementos para uma história das práticas corporais. São Paulo: Estação Liberdade, 1995.

SANT'ANNA, Denise Bernuzzi. Higiene e higienismo entre o Império e a República. In: PRIORE, Mary del; AMANTINO, Marcia (Org.).História do Corpo no Brasil.2. ed. São Paulo: Unesp, 2011. Cap. 10. p. 283-312.

SANTOS, Chrislene Carvalho dos. História e Propaganda: análise de corpos femininos em imagens publicitárias na década de 20. Revista História Hoje, São Paulo, v. 3, n. 9. Abril. 2006. Disponível em: < http://www.anpuh.org/revistahistoria/view?ID_REVISTA_HISTORIA=9 >. Acesso em 24 out. 2019

SIQUEIRA, Denise da Costa Oliveira (Org.). O Corpo Representado: mídia, arte e produção de sentidos. Rio de Janeiro: Eduerj, 2014. 252 p.
SULLEROT, Evelyne. La presse féminine. Paris, Armand - Colin, 1963.

Downloads

Publicado

2019-12-27

Como Citar

Pereira, C. A. (2019). Gênero e emoções na publicidade da imprensa feminina. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 28(2), 260-281. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p260-280

Edição

Seção

Especial