Futuros Amantes:

Desejos, amores e esperas em um abrigo para idosos

  • Oswaldo Zampiroli Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: amor, futuro, envelhecimento, trajet´´oria, desejo

Resumo

A partir dos fragmentos de trajetórias de vida de duas mulheres, Penélope e Dorinha, residentes de um abrigo espírita para idosos em Minas Gerais, iremos discutir a centralidade que os temas do amor e do o desejo adquirem em suas narrativas. Para tal, elas passam a escrutinar relações amorosas de seus passados, a fim de desenharem um cenário de amor ideal para um futuro distante. É pela crença em uma vida após a morte, assim como o uma ética cristã na concepção dos papeis de gêneros, que essas mulheres de 72 e 74 anos, respectivamente, trazem para o presente a atmosfera de um futuro feliz, de suas próximas vidas, onde serão verdadeiramente amadas. A maneira como dispõem de suas relações amorosas futuras é tensionada o tempo todo pela realidade em que estão inseridas e a qual julgam ser profundamente negativa: corpos envelhecidos que percebem não ser objeto de desejo de outrem. Assim, estariam fadadas à uma solidão sexual/afetiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de. 2016. “Tomar distância – reinvenções do êxodo, composições situadas e resiliências”. In: Almeida, M.I.M (org). Cartografias da Paragem. Gramma. Rio de Janeiro, RJ.
ABU-LUGHOD, Lila; LUTZ, Catherine. 1990. “Introduction: emotion, discourse, and the politics of everyday life”. In. e . (org) Language and the Politics of emotion. Cambridge, Cambridge Press
ABU-LUGHOD, Lila. 1991. “Writing against culture”. In: Richard G. FOX (org.), Recapturing Anthropology – Working in the present. Santa Fe: School of American Research Press.
ALVES, Andréa M. (2004) A dama e o cavalheiro: um estudo antropológico sobre envelhecimento, gênero e sociabilidade. Rio de Janeiro: FGV.
BALAZS, Gabrielle. 1997. A solidão. In: P. Bourdieu (org.), A miséria do mundo. Petrópolis: Vozes.
BEAUVOIR, Simone. 2016. O segundo sexo: volume 2. Editora Nova Fronteira. Rio de Janeiro, RJ.
BIEHL, João; LOCKE, Peter. 2017. Introduction: ethnographic sensorium. In: J. Biehl; P. Locke (eds.), Unfinished: anthropolgy of becoming. Durham/ London: Duke Universtity Press.
BISPO, Raphael. 2016a. Rainhas do Rebolado: carreiras artísticas e sensibilidades femininas no mundo televisivo. Rio de Janeiro: Mauad X/ Faperj.
____________. 2016b “Tempos e silêncios em narrativas: etnografia da solidão e do envelhecimento nas margens do dizível”. Etnográfica, V.20, No 2, pp. 251-274.
BLOCH, Ernst. 2005. O princípio da esperança. Rio de Janeiro: Contraponto
COELHO, Maria Cláudia. & REZENDE, B. Claudia. 2010. Antropologia das Emoções. Série Sociedade e Cultura. Rio de Janeiro: FGV Editora
DAS, Veena. 1999a. Fronteiras, violência e o trabalho de campo: alguns temas wittgensteinianos. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v.14, n. 40, p. 31-42.
__________ . 1999b. Critical events: an anthropological perspective on contemporary Índia. New Deli: Oxford University Press. (“Introduction”)
____________. 2011. O ato de testemunhar: violência, gênero e subjetividade. Cadernos Pagu, n. 37, p. 9-41.
DEBERT, G. (1999) A reinvenção da velhice. São Paulo: Edusp
DUARTE, Luiz Fernando Dias. 1998. Investigação antropológica sore doença, sofrimento e perturbação: uma introdução. In: L. F. D. Duarte; O. F. Leal (orgs.), Doença, sofrimento, perturbação: perspectivas etnográficas. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.
EDELMAN ,Lee. 2004. No Future: Queer Theory and the Death Drive, Durham, Duke University Press
ELIAS, Norbert. 2001. A solidão dos moribundos, seguido de Envelhecer ou morrer. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Capítulo “A solidão dos moribundos”)
FEATHERSTONE, M. (1998) “O curso da vida: corpo, cultura e imagens do processo de envelhecimento” en: DEBERT, G. (org.). Antropologia e Velhice: Textos Didáticos. Campinas: IFCH/Unicamp.
FERNANDES, Camila. 2017. Figuras da causação: sexualidade feminina, reprodução eacusações no discurso popular e nas políticas de Estado. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
FURTER, P.1974. Dialética da Esperança. Ed. Paz e Terra. Rio de Janeiro, RJ.
GOLDENBERG, M. 2013. A Bela velhice. Editora Record, Rio de Janeiro, RJ.
HALBERSTAM, J. 2011. The queer art of failure. California: Duke Press. (chapter 3: “Queer art of failure”)
LINS DE BARROS, M. 1981; “Testemunho de vida: um estudo antropológico de mulheres na velhice” en: Cavalcanti, M. L.; Heilborn, M. L. e Franchetto, B. (orgs.), Perspectivas antropológicas da mulher 2. Rio de Janeiro: Zahar.
_____________________. 2004. Velhice na Contemporaneidade. In: PEIXOTO, Clarice Ehlers (Org.). Família e Envelhecimento. Rio de Janeiro: Ed. FGV
MAHMOOD, Saba. 2005. Politcs of Piety : the Islamic revival and the feminist subject. Princenton/Oxford: Princenton University Press
McCLINTOCK, Anne. 2010. Couro imperial: raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas: Editora da Unicamp.
MARTINS, J. et al. 2007. “Influência do processo de envelhecimento na qualidade de vida do ser humano: (re)desvelando significados”. Revista Reme, v.11.3.
MOTTA, F. (1998). Velha é a vovozinha: identidade feminina na velhice. Santa Cruz do Sul: Edunisc.
MUÑOZ, José Estéban. 2009. Cruising utopia: the then and there of queer futurity (sexual cultures). Nova Iorque: New York Press.
PEIXOTO, Clarice Ehlers. 2004. Processos Diferenciais de Envelhecimento. In: PEIXOTO, Clarice Ehlers (Org.). Família e Envelhecimento. Rio de Janeiro: Ed. FGV
____________________. 2014. “The body of the Other: to treat well or mistreat? Tensions and mistreatment at the end of life”. Vibrant – Virtual Brazilian Anthropology, v. 11, n. 2. Brasília, ABA.
POLLAK, Michael. 2010. A gestão do indizível. Revista do Instituto Cultural Judaico Marc Chagall, v. 2, n. 1, p. 9-49.
RODRIGUEZ, Juana Maria. 2014. Sexual futures, queer gestures and other latina longing. Nova Iorque: New York Press. (“Introduction”)
SARTI, Cynthia. 2010. Corpo e doença no trânsito de saberes. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, n. 74, p. 77-91
VELHO, Gilberto. 1994. “Projeto, Emoção e Orientação em sociedades complexas”. In. Individualismo e Cultura: Notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Zahar, 2004
______________. 1986. Subjetividade e Sociedade.: Uma experiência de geração. Zahar, Rio de Janeiro, RJ.
ZAMPIROLI, Oswaldo. 2017. Amores Subterrâneos: família e conjugalidades em trajetórias de prostitutas trans-travestis. Dissertação (PPGAS –Museu Nacional – UFRJ). Disponível em: https://ufrj.academia.edu/OswaldoZampiroli
___________________. 2018a. “Tornar-se esposa, fazer-se mulher: o casamento estabelecendo gênero nas relações conjugais de mulheres trans/travestis”. Teoria e Cultura, v. 13, nº 1.
___________________. 2018b. Em meio a sonhos e normas: amor, família e futuro entre três mulheres trans/travestis. In: E. Rangel; C. Fernandes; F. Lima (orgs.), (Des)prazer da norma. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens.
Publicado
2019-12-20
Como Citar
Zampiroli, O. (2019). Futuros Amantes:. Cadernos De Campo (São Paulo 1991), 28(2), 325-342. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v28i2p325-342
Seção
Especial