Minha escrevivência, experiências vividas e diálogo com as mulheres indígenas do Rio Negro – Amazonas/Brasil

Autores

  • Francineia Bitencourt Fontes Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i1p179-186

Palavras-chave:

mulheres indígenas, conhecimento, papeis políticos, movimento indígena, narrativa

Resumo

Este artigo relata algumas experiências vividas como e com as mulheres indígenas, em particular as narrativas e repasse de conhecimento em forma da oralidade feitos pelas nossas avós, mães, tias e sogras, sobre o que é ser uma “mulher indígena”. Pretende-se abordar os dilemas, mas também os diálogos sobre o papel político das mulheres Rionegrinas do Noroeste Amazônico. Para isso a proposta do trabalho está firmada na oralidade (narrativas), pontos de vistas dos conhecimentos e das falas das mesmas e suas interpretações; a priori ressalto a importância que devemos dar para esses “conhecimentos”, o quanto as vivências dentro do mundo indígena são a ponta chave para manter essas tradições de fortalecimento e valorização destes conhecimentos. Tem sido um grande avanço mostrar o quanto as mulheres têm suas próprias teorias para explicar sua existência no mundo e suas transformações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francineia Bitencourt Fontes, Universidade Federal do Rio de Janeiro

É indígena do povo Baniwa. É mulher, indígena e antropóloga. Possui formação em Sociologia (licenciatura plena) pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Mestrado em Antropologia Social do Museu Nacional na Universidade Federal do Rio de Janeiro e é Doutoranda em Antropologia Social do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

CARDOSO, Juvêncio da Silva. 2018. “A cuia e a formação do universo: uma abordagem baniwa no contexto da física intercultural”. Revista do Patrimônio histórico artístico nacional, nº 37, pp:233-247
BANIWA, André. 2017. “A Relação dos povos indígenas com a terra”. Blog do Povo Baniwa e Koripako: Nossa presença na Web. Disponível em: https://walimanai.wordpress.com/2017/04/05/a-relacao-dos-povos-indigenas-com-a-terra/ Último acesso: 06/04/2020
FONTES, Francineia Bitencourt. Hiipana, Eeno Hiepolekoa: construindo um pensamento antropológico a partir da mitologia Baniwa e de suas transformações. Dissertação – Mestrado em Antropologia Social. Rio de Janeiro: PPGAS-MN/UFRJ, 2019.
TUCANO, Miquelina. Assembleia das Mulheres Indígena em São Gabriel da Cachoeira, Maloca da FOIRN, São Gabriel da Cachoeira, Dezembro de 2014.

Downloads

Publicado

2020-06-24

Como Citar

Fontes, F. B. (2020). Minha escrevivência, experiências vividas e diálogo com as mulheres indígenas do Rio Negro – Amazonas/Brasil. Cadernos De Campo (São Paulo - 1991), 29(1), 179-186. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i1p179-186

Edição

Seção

Especial